4 de julho de 2022
Veículos

O que o Chevrolet Cruze da Stock Car e o "de rua" têm em comum?


Se alguém hoje disser para você que esses carros de corrida são “semelhantes” aos Chevrolet Cruze que vemos no trânsito, das duas uma: ou é mais um “fake news” ou Primeiro de Abril. Embora tenham uma aparência que lembre uma versão supertunada da “de rua”, os bólidos usados na Stock Car são bem diferentes, como é explicado pela engenheira Rachel Loh no vídeo acima. Falamos nisso agora porque, no próximo domingo, dia 7, a Stock completa 40 anos (a primeira corrida aconteceu em abril de 1979, em Tarumã) fazendo sua prova de número 500 no Velopark, também no Rio Grande do Sul.

A principal categoria do automobilismo brasileiro começou correndo com Chevrolets Opala (os “Opalões”) de seis cilindros (acima). Com algumas modificações nas carrocerias, o modelo permaneceu até 1994, quando se adotou o Omega. Tudo isso com o motor highlander 4.1 de seis cilindros em linha.

Em 2000 veio início de uma profunda modificação, quando a Stock Car ganhou chassis tubulares e carroceria de fibra de vidro ‘simulando’ um Vectra de rua, ainda com o seis canecos.
No ano seguinte vieram da Nascar americana os motores V-8 desenvolvidos especialmente para corridas. Sobre os chassis tubulares, que ganharam uma nova versão em 2009, já andaram bolhas de Vectra, Astra, Sonic e Cruze, da GM, sem contar uma fase multimarcas onde os mesmos stocks se passaram por Mitsubishi Lancer, Volkswagen Bora, Peugeot 307 e 408.

Chevrolet Cruze Stock Car 2019 – carro de Thiago Camilo, da Ipiranga Racing

Gravamos o vídeo com Rachel Loh, engenheira da equipe Ipiranga Mattheis, momentos antes de o carro do piloto Thiago Camilo ser embarcado no caminhão que pegou a estrada de Petrópolis para Nova Santa Rita. Quanto às semelhanças entre o Cruze Stock Car e o Cruze de rua, digamos que você não poderia usar esse modelo aí da foto acima para fazer compras, nem para viajar, nem para buscar os filhos no colégio, nem para ir ao trabalho… Bom, se o seu trabalho for o mesmo do Thiago, aí talvez pudesse sim, pelo menos para ir dos boxes para a pista.
Fonte: Blog Rebimboca

Jornalista, blogueiro e motorista amador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.