14 de julho de 2024
Adriano de Aquino

Fête de l'Humanité


O termo  “esquerda festiva” revolta os marxistas ortodoxos e diverte os liberais reformistas que tratam os partidos comunistas como agremiações diletantes em busca de divertimento alternativo, chato,ultrapassado e cafona.
Tempos atrás fui a uma ‘Fête de l’Humanité’. Bastou uma ida para ter certeza de que nunca mais perderia tempo com festividades comunais saudosistas. Tipo funeral divertido,animado por rock gospel.
A “Fête de l’Humanité” é uma espécie de parque temático da nostalgia, onde comunistas confraternizam com burgueses, provam que não comem criancinhas e adoram quitutes regionais.
Para quem não conhece o evento, descrevo como uma Feira da Providência, com barraquinhas dos partidos comunistas da Albânia, Afeganistão, Brasil, Espanha, França etc.
O evento conta também com alguns palcos onde se apresentam artistas engajados na causa comunista/humanitária e uns oradores exóticos, discursando sobre as batalhas perdidas em prol da humanidade e do comunismo nas suas regiões de origem.
Para vocês terem uma ideia da tristeza e da nostalgia compartilhada pelos frequentadores, a última edição da Fête de l’Humanité,em Paris, teve um show da Dilma, acompanhada do grupo vocal Lula Livre, como convidada especial.

Adriano de Aquino

Artista visual. Participou da exposição Opinião 65 MAM/RJ. Propostas 66 São Paulo, sala especial "Em Busca da Essência" Bienal de São Paulo e diversas exposições individuais no Brasil e no exterior. Foi diretor dos Museus da FUNARJ, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas /FUNARTE e outras atividades de gestão pública em política cultural.

Artista visual. Participou da exposição Opinião 65 MAM/RJ. Propostas 66 São Paulo, sala especial "Em Busca da Essência" Bienal de São Paulo e diversas exposições individuais no Brasil e no exterior. Foi diretor dos Museus da FUNARJ, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas /FUNARTE e outras atividades de gestão pública em política cultural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *