Bodega Luis Cañas

A última etapa de nosso passeio pela Espanha foi na Rioja Alavessa, uma das mais importantes regiões produtoras de vinhos daquele país. Visitar algumas vinícolas era imperativo, o difícil foi escolher quais.

Apesar dos avisos passados por meu filho, Tomás, que “é melhor reservar logo”, fui postergando esta decisão. O resultado foi um pouco decepcionante: a maioria das bodegas consultadas já estavam com suas agendas lotadas, fruto da recessão turística durante a epidemia. Felizmente conseguimos agendar duas excelentes empresas. A Luis Cañas foi a primeira delas.

São quatro gerações ligadas ao mundo do vinho. Tudo começa há mais de 100 anos, com a produção de vinhos simples, utilizando cachos inteiros e maceração carbônica, na histórica Cueva de los Curas, uma bodega primitiva escavada na terra. Os vinhos a granel ali produzidos eram transportados por Carlos Cañas, em carroças puxadas por mulas, até os arredores de Bilbao e San Sebastian, num trajeto de cerca de 100 Km através da Serra de Cantábria e das montanhas Vitoria-Gasteiz.

Coube a seu filho, Luis, nascido em 1928, iniciar a constante busca por qualidade nos seus vinhedos e vinhos a granel, conquistando o paladar dos comerciantes dos armazéns de Bilbao. Em 1970 começa a engarrafar os seus vinhos de “cosechero”, o equivalente ao nosso vinho de colono. Nesta data, é construída a bodega que leva seu nome, ampliando o conceito de vinhos de qualidade.

Em 1989, assume as rédeas da empresa o seu sucessor, Juan Luis Canas, considerado um dos vinhateiros mais criativos da Espanha. Aumenta o portfólio de vinhos, passando a oferecer vinhos maduros, crianza, reserva e gran reserva, ao mesmo tempo que mantém a quase obsessiva busca pela qualidade e perfeição.

Em 1994 é inaugurada uma moderna instalação, equipada com o que há de melhor no mercado. A recompensa vem nos inúmeros prêmios que tem recebido em todo o mundo. Infelizmente seus vinhos não estão à venda no Brasil.

A visita é formidável, umas das poucas que pudemos fazer durante o período de produção. Normalmente, nessa fase, as atividades de enoturismo são restritas ou mesmo suspensas.

Fomos recebidos com dois pequenos agrados que já nos deixaram no clima: uma bela taça e um “pendural”. Este conjunto nos acompanharia durante todo o percurso e, ao final, poderíamos levar conosco. Um delicioso branco de vinhas velhas, deu início aos trabalhos.

Seguimos por um percurso onde um pouco da história da família é apresentada. Saímos para o pátio de recepção das uvas e descemos até o Mirador, onde acontece a segunda degustação: do tinto Reserva 2015 e do excelente azeite deles, que não é comercializado. Para surpresa de todos, somos convidados a entrar no vinhedo adjacente e provar algumas das diferentes varietais ali plantadas. Os pés estão carregados. Só esta experiência já vale a visita.

Passamos para a área de produção, fervilhando de gente trabalhando. Seleção manual de uvas, desengaço, trasfega para as cubas de fermentação. Alguns dos encarregados simplesmente paravam, momentaneamente, suas tarefas, para nos mostrar como tudo funciona, sem segredos. Uma das pessoas do grupo foi convidada a “operar” a máquina selecionadora.

O trajeto passa pela sala de barricas e termina no que chamam de pequeno museu, um ambiente com estantes abarrotadas de vinhos. Lá estão algumas das históricas primeiras garrafas, ao lado de vinificações feitas para terceiros, com rótulos próprios.

Não resisti e perguntei o óbvio: Ainda seria possível provar uma das garrafas originais?

Com um sorriso, nossa guia, Sandra, diz apenas uma palavrinha: vinagre!

A última degustação, de um vinho topo de linha acompanhada de uma tábua de queijos, embutidos e pães, acontece no salão da casa principal. Novamente, pequenos detalhes fizeram a diferença nesta maravilhosa visita. Uma aula de vinhos e de cortesia.

Voltaremos!

Saúde e bons vinhos.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *