Muita sorte!


Por mero acaso, assisti aos últimos 20 minutos de um filme policial ontem; um acaso e uma compulsão terrível, como se fosse uma cobra encantada, ou por outra, enfeitiçada.
Dois homens, aparentemente desconhecidos um para o outro, apontando um revólver para a testa um do outro, giravam o tambor por várias vezes, cada tambor com uma bala. Ao sinal do “juiz”, paravam e, olhando para a lâmpada acima da cabeça de cada um, ao piscar da luz, deveriam acionar o gatilho.
Assistindo, um grupo de milionários entediados de meia idade, entusiasmadíssimos. Após duas tentativas, ambos atiram e o rapaz mais novo mata o mais velho.
Do grupo de milionários surge um, eufórico, dizendo ao rapaz, de olhar vidrado: “Puxa, viu que sorte você teve?! Sabe que esse cara já entrou em cinco contendas anteriores e sempre escapou?” Na cena seguinte o rapaz recebe US$ 1,850 milhão, que são postos em uma mochila e sai dali com o mesmo ar esgazeado.
À espera de um resultado de exame, leio numa revista que os maiores “atletas”, que hoje montam touros nos Estados Unidos, moram em fazendas no Texas e, dentre os 10 primeiros colocados no ranking, 7 são brasileiros.
O rapaz a quem eles se referem na reportagem, “o peão de 10 milhões de reais” é, aos 24 anos, o mais celebrado peão do mundo. Mas, aos 7,9 segundos em cima de um touro de uma tonelada, caiu no chão. A fera acertou-lhe uma cabeçada na perna, rompendo todos os tendões do joelho bem como os ligamentos da virilha.
Esse torneio teve 3 etapas anteriores em que ele teve 90% de aproveitamento, o que lhe garantiu o disputado prêmio, dispensando-o de competir por “estar em convalescença”.
Tal como o rapaz a que o milionário se referiu acima, pelo visto ele também teve sorte, se imaginarmos que o primeiro brasileiro tricampeão da modalidade, tem seis hérnias de disco e nove cirurgias por lesões nos ossos!
Finalmente, para minha consternação, viro a página e revejo a foto de uma menininha iemenita de sete anos, Amal. Ainda que seu nome em árabe significasse Esperança, meia hora depois de tirada a horripilante foto, morreu de inanição absoluta…
O que exatamente significa a palavra “sorte”, nesse nosso mundo atual?
Diz o dicionário: “força invencível a que se atribuem o rumo e os diversos acontecimentos da vida; destino, fado.”
Certamente Amal não teve “tanta sorte” quanto as criaturas acima…

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *