Uma semana de arte em Paris

foto1-minFoto Yeda Saigh

Essa semana em Paris foi muito mais que especial: além da Fiac (Feira de Arte Contemporânea Internacional), visitamos coleções particulares, exposições, museus e galerias. Foi uma semana de perder o fôlego com quatro inaugurações!
Participei do programa da Fiac, organizado para um grupo de brasileiros, por Florence Antonio, guia incansável e embaixadora da Fiac no Brasil. Florence faz parte da galeria e-arte de Álvaro Lombardi que recentemente abriu um novo espaço para galerias compartilhadas. A e-arte promove em seu espaço um pop-up de arte, é um novo hub para galerias nacionais e internacionais, localizado no coração dos Jardins. No espaço encontra-se galerias de arte que apresentam uma seleção especial de obras que se renovam mensalmente. [1]
Este ano as sedes principais da feira são três: o Grand Palais, a Cour Carré do Louvre e o Jardin des Tuileries num total de 169 expositores.
Chegamos sábado, começando com um almoço no restaurante L’ Avenue, que continua muito bom, faz parte do Grupo Costes. A noite, fomos assistir no teatro do Champs Elysées, a Philharmonia Orchestra, dirigida por Vladimir Ashkenazy, simplesmente maravilhosa!!!
No domingo, nossa programação começou com a Exposição Chambres à Part IX, dedicada esse ano à noção de novo (neuf = nove e novo). Essa foi a nona edição e propôs um foco particular sobre a geração nova, dita pós-internet, representada por Jon Rafman, Oliver laric, Aleksandra Domanovic e Parker Ito. Laurence Dreyfus nos recebeu no Hotel Particulier La Réserve, uma casa lindíssima onde, durante a Fiac expôs obras contemporâneas, todas à venda.

foto2-minHotel La Réserve
Foto Yeda Saigh

Na exposição uma obra maravilhosa do artista argentino Mondego me chamou a atenção: uma caveira com todas as épocas do mundo desenhadas nela, além de um lustre lindo feito pelo artista e designer Tomas Sarraceno e, para completar, havia no jardim uma escultura de Ernesto Neto, dentre várias outras obras de artistas famosos.

caveira-minObra do Artista MondegoFoto Yeda Saigh

Ofereceram um delicioso brunch enquanto fazíamos a visita guiada pela própria Laurence. Recomendo a visita ao jardim, que é maravilhoso e cheio de obras de arte.
Exposição Sonia Delaunay
Fomos ao Museu de Arte Moderna ver a exposição da grande artista Sonia Delaunay – maravilhosa retrospectiva. A primeira grande dela desde 1967, dado que antes só faziam de seu marido Robert Delaunay.
Musée d’ Art Moderne
Av. Kennedy

foto3-minExposição Sonia Delaunay
Foto Yeda Saigh

Coleção particular Joseph Kouli
Visitamos no 9ème, um apartamento simples, mas bem simpático de um colecionador, um rapaz de 37 anos, com obras que ele compra desde 2006, porém nada de excepcional.
11, Rue Pierre Semard, 75 009

foto5-minColeção Particular Joseph Koulli
Foto Yeda Saigh

Hotel Royal Monceau
Fomos almoçar no hotel Royal Monceau, agradável para almoçar no bar, pratos leves, serviço ótimo. Depois fomos ver uma obra de Joana Vasconcellos no jardim. Trata-se de uma chaleira gigante de ferro trabalhada, que se pode entrar dentro.

foto6-minChaleira de Joana Vasconcellos
Foto Yeda Saigh

A concierge nos levou para vermos uma obra de um artista russo que fica no segundo andar do hotel, onde não é muito vista. A obra é muito interessante – vários animais de tamanho natural.

foto7-minHotel Royal Monceau
Foto Yeda Saigh

Palais de Tokyo – Centro de Arte Contemporânea desde 2002
A exposição era mais de vanguarda do que a do Grand Palais, muita gente interessante e repleta de obras. Vai-se andando com a multidão, não se consegue mais sair, é um labirinto com obras muito contemporâneas, agressivas, muito barulhento. Tem um artista que fez uma performance e ficou morando dentro da barriga de um porco dez dias, tipo Big Brother, todo mundo podia ver, o porco estava exposto.
13, Av. du Président-Wilson

foto8-minPalais de Tokyo
Foto Yeda Saigh

La Maison Rouge – Fondation Antoine de Galbert
Na segunda feira, fomos visitar “La Maison Rouge”, fundada pelo colecionador Antoine de Galberg, um grande amante da arte contemporânea, situada numa antiga estamparia, e é um espaço gerido de forma independente que alterna apresentações monográficas de trabalhos de artistas contemporâneos com peças de diferentes coleções de arte privada.
A exposição que vimos é de um dos maiores colecionadores de Art Brut. Mr. Galbert é um aficionado dessa arte com uma coleção enorme de 3.500 obras que não está exposta na Maison Rouge, só expôs até hoje umas duas vezes. Sua meta é expor outros colecionadores que não tem onde expor suas obras.
A diretora da Maison nos recebeu e foi muito simpática: nos contou a história da fundação e falou também sobre a obra exposta.
10, Boulevard de la Bastille
- 12e

img_9324Maison Rouge
Foto Yeda Saigh

Museu Picasso
Outro grande evento da semana, foi a reinauguração do Museu Picasso depois de cinco anos de reformas, em uma mansão do século 17, Musée Salé, situado no Marais. Está uma beleza, o prédio foi todo reformado com um extremo bom gosto, muitas obras da coleção de Picasso estão sendo expostas pela primeira vez no Museu. No dia que fomos estava lotado de pessoas muito elegantes, inclusive um ex-embaixador da França no Brasil.

foto9-minMuseu Picasso
Foto Yeda Saigh

Na terça feira, fomos com a van da Fiac para a Cerge Pontoise visitar a coleção de Françoise e Jean Philippe Billarant Le Silo: é um grande silo de grãos que eles construíram para a expor sua coleção de arte contemporânea.
Françoise é muito simpática e nos serviu de guia contando tudo sobre os artistas expostos e respondendo perguntas dos curiosos. Serviram café, suco e biscoitos: foi uma manhã muito agradável.

foto10-minColeção de Françoise e Jean Philippe Billarant Le Silos
Foto Yeda Saigh

De lá, seguimos para Jardim des Tuilleries ver as esculturas no Jardim. Almoçamos num bar muito simpático no meio do jardim, continuamos a pé até o Arc Carrousel e a Pirâmide do Louvre. Esculturas muito bonitas por todo o jardim. Nos chamou a atenção que a maioria dos jardins que visitamos são bem selvagens, sem corte, as plantas de tamanhos bem diferentes e muitas flores.

foto11-minExposição de esculturas – Jardin des Tuilleries
Foto Yeda Saigh

Sem descansar, chegamos ao (Off)cielle, onde as Galerias, que não conseguiram lugar no Grand Palais, foram para um espaço muito simpático, construção bem moderna, lembra o estilo do Centre Pompidou, todo colorido, verde vivo – é o Doc de La Mode e Du Design ao lado da Biblioteca do Miterrand. Muitas galerias com obras de arte contemporâneas bem interessantes. Tomamos um expresso no último andar e tivemos o prazer de apreciar a vista linda, em frente ao Sena!

foto12-minOff(cielle)
Foto Yeda Saigh

Ainda com a van Fiac, fomos até o Jardim des Plantes, onde tinham obras “Hors les Murs” (fora da grande exposição do Grand Palais), onde um percurso a pé para ver as obras expostas ao ar livre no Jardin des Plantes, obras expostas na Grande Galerie de l’Évolution, e obras expostas na Menagerie, maravilhoso!!
Visitamos também o Museu Nacional de História Natural, fundado em 1793, durante a Revolução Francesa, cuja origem encontra-se no “Jardim real das plantas medicinais”, criado por Luís XIII, em 1635, dirigido e administrado pelos médicos da realeza e  transformado em “Museu Nacional de História Natural” em 1793. É espetacular! os bichos são incríveis e muito bem expostos. A Fiac ofereceu um happy hour dentro do Museu ótimo!

foto13-minMuseu de História Natural
Foto Yeda Saigh

A noite, exaustos fomos jantar no restaurante Le Cigale Récamier, conhecido como o restaurante onde se come o melhor soufflé de Paris, e honra a fama que tem. O ambiente é bonito e a decoração de muito bom gosto, foi todo reformado mas, infelizmente, não aceitam reserva, o que é uma pena!
4, Rue Récamier  75007 Paris

foto111-minRestaurante Le Cigale Récamier
Foto Yeda Saigh

FIAC
Na quarta inauguração oficial da Fiac (Feira Internacional de Arte Contemporânea), no salão principal do Grand Palais: um espaço enorme de 1.200 metros quadrados. Expuseram 122 galerias internacionais de arte moderna e contemporânea, sendo quatro brasileiras: Luciana Britto, Raquel Babenco com obras de Artur Pizza, que estava lá com 92 anos; conversei com ele e ele está ótimo, acabou de fazer uma obra nova, Mendes Wood e Fortes Vilaça, além das mais famosas galerias do mundo todo.
Av. Winston-Churchill

foto14-minFIAC
Foto Yeda Saigh

Almoçamos no restaurante dentro Fiac que é super movimentado e divertido e depois fomos ver a exposição de:
Niki de St Phalle
Maravilhosa!!!! É uma grande retrospectiva e conta toda a história da vida dela junto com a sua obra, sua luta feminista, seus ideais, muito interessante, realmente ela foi uma mulher incrível e muito bonita!

foto15-minExposição Niki de St. Phalle
Foto Yeda Saigh

Jantamos no restaurante L’ Atelier Robouchon, que é muito bom, para mim um dos melhores de Paris!!!
Almoçamos na Pont Neuf num restaurante pequeno e simples super simpático, Henri IV, onde Georges Simenon tinha uma mesa cativa.  Aproveitamos para fazer um belo passeio a pé pela Place Dauphine e pela Ile de St Louis.
Nesta noite, fomos assistir Les Noces de Fígaro na Opéra Bastille, que valeu a pena, seguido de um jantar no Hotel Costes, que continua na ordem do dia, lotado de gente jovem descolada.
Na sexta, a programação foi ainda mais extensa! Começamos pela Coleção de Clemence et Didier Krzentowski num prédio antigo lindo! Ela é uma mulher muito simpática, elegante e bonita e nos falou sobre quase todas as obras da coleção que não são poucas. Serviram café, sucos, croissants e biscoitos. Depois de anos colecionando obras de arte contemporânea e móveis, o casal abriu uma boutique com o nome Kreo, uma corajosa idéia de pedir aos designers a criação de peças com edição limitada e disponível para compra a um grupo seleto. A fórmula decolou.
28, Av President Kennedy.

foto16-minColeção Clémence e Didier Krzentowski
Foto Yeda Saigh

O almoço foi no restaurante Georges do Centro Pompidou, que continua muito bom e também faz parte da cadeia Costes. Vimos depois duas exposições – uma retrospectiva de Marcel Duchamps um pouco diferente, porque expuseram mais as pinturas dele que são lindas! e outra o acervo novo do museu que está muito interessante, muita arte contemporânea.
Fundação Louis Vuitton
Depois de doze anos de gestação e oito anos de trabalho, o suntuoso edifício de vidro e de aço concebido pelo famoso arquiteto Frank Gehry para abrigar a coleção de arte contemporânea da Fundação Louis Vuitton abre enfim suas portas. Acaba de ser inaugurado em Paris o novo gigante da arte contemporânea, desejo de Bernard Arnault e um belo presente para Paris para qual o edifício será oferecido em 2062. Tem 11 mil metros quadrados e custou R$355 milhões. Lá dentro, telas de Gerhard Richter, uma escultura gigante de Thomas Schütte e um corredor de espelhos de Ólafur Eliasson.

img_6179
img_6219Fundação Louis Vuitton
Foto Yeda Saigh

Para lançar o evento de arte da década, o presidente Françoise Hollande subiu no grande barco ornado de suas doze velas de vidro, acolhido pelo capitão Bernard Arnault e pelo arquiteto Frank Gehry. É espetacular, fica no meio do Bois de Boulogne.
Jantamos no restaurante japonês Orient Extreme, ótimo, recomendo, serviço muito bom, freqüência simpática do bairro.
21, rue Bayard
tel: 06 22 58 21 53
Ainda tivemos fôlego para depois do jantar assistir a uma performance na Pirâmide no Louvre que valeu o esforço!
No sábado, dia de voltar para o Brasil a programação não foi menos extensa! Começamos indo visitar a
Coleção particular de Nicola Libert e de Emmanuel Renoird – um apartamento de cobertura muito legal cheio de obras contemporâneas. Falaram sobre cada obra do apartamento que são muitas!! Serviram um café da manhã bem Frances: deliciosos croissants e café expresso.
8, Rue de Levy
Palais de La Monnaie
A van nos levou para o Palais de La Monnaie, que foi totalmente restaurado e está uma beleza! Exposição do artista audacioso e provocativo dos anos 60, Paul McArthy “Fábrica de Chocolate”. Depois de mais de 30 anos o artista se concentra sobre suas esculturas e instalações, lembrando sempre que a arte tem a função de interrogar. A receita do chocolate é do grande chef estrelado Michelin Guy Savoie – que vai abrir um restaurante lá até o final do ano. As moças que fazem o chocolate usam uma peruca loira e vestido vermelho. O artista aparece em filmes nas paredes escrevendo e falando “We are the artists, fuck you”. No final da fábrica os chocolates bem grandes são vendido em caixas bem bonitas.

foto17-minPalais de La Monnaie
Foto Yeda Saigh

Na entrada do Palais de La Monnaie tem várias esculturas infláveis coloridas enormes penduradas no teto.
A super van FIAC nos levou ainda para a Fondation Cartier – prédio muito moderno de vidro e ferro dos anos 90. Obras de artistas conhecidos fazem parte do acervo, inclusive um quadro lindo da artista brasileira Tarcila do Amaral.Não deixe de ver a biblioteca, é junto com a lojinha que é muito boa, muito bonita e também uma sala de arte interativa.

img_0336_2-minFondation Cartier
Foto Yeda Saigh
img_0341-minFondation Cartier
Foto Yeda Saigh

Finalizamos com um almoço no Relais do Plaza Athenée, especialmente muito agradável nos sábados, cheio e muito alegre além de ter uma comida ótima!
Acabou a nossa maravilhosa semana! Ufa!!!
Espero ir de novo o ano que vem!

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *