9 de agosto de 2022
Editorial

Quem cala consente

Foto: Agência Senado – Arquivo Google

Mais uma vez, o presidente da Câmara mostra por que foi eleito pela maioria dos deputados. Numa lógica simples, vemos que mais uma vez, na calada da noite, articulam em regime de urgência a votação do projeto que reduz punições e impede o TSE de cassar partidos por fraudes nas suas contas. É mais uma afronta à sociedade, que precisa analisar até que ponto o poder pode emancipar-se do direito da impunidade a si próprio. Se isto é possível, precisamos reverter, com urgência, nem que seja nas ruas! Eles pertencem a uma casta superior à nossa e isso não podemos permitir. Há leis para nós e para eles? E a Constituição diz que todos são iguais perante a lei, não vale? Dependemos do STF para fazê-la valer e aí, se nenhum dos ministros pedir vistas…
São revoltantes as prioridades do Congresso, que só tem pressa de resolver os assuntos de seu interesse próprio. Quanto aos de interesse nacional, que podem levar ao início de uma recuperação econômica que levem ao reemprego 12,5 milhões de brasileiros, estes podem esperar. Tanto faz que o início da recuperação seja no segundo semestre, ou em 2019, após a eleição. Para eles, é a mesma coisa. Não é prioridade nem de interesse do Congresso, que se diz “nacional”. Precisamos mudar todos os responsáveis por este caos no Brasil. Afinal, os mesmos que hoje apoiam o governo que quer pôr o país nos trilhos apoiaram os que o tiraram dos trilhos. A chance de dar certo é zero.
O julgamento dos partidos pela Suprema Corte, representada pelo TSE, tem uma oportunidade única de punir os que são, em primeira ação, responsáveis por barrar essa bandalheira que se apresenta. A primeira barreira de ingresso na política é o partido, que vem declinando desta obrigação para levar vantagens nas mamatas de seus candidatos. Se a punição for branda, vão continuar no mesmo rumo. E, assim, estaremos perdidos.
Um governo composto por indiciados na Lava-Jato. Um Congresso e um Senado idem. Logicamente, a Comissão que vai sabatinar o novo ministro do STF será presidida por Edison Lobão – citado na Lava-Jato -, mas não só ele. Quantos são os senadores que compõem esta Comissão? 54, sendo 27 titulares e 27 suplentes. Destes, 10 estão citados na Lava-Jato. E mais, dos 81 senadores, 13 estão citados na Lava-Jato.
E nenhum plantão de noticiários, nem ações no STF, concentrações na Avenida Paulista ou na Cinelândia, nem nas redes sociais. Cadê o MBL? Graças à Constituição de 1988, vivemos o maior período democrático da nossa história, mas continuam as mesmas velhas práticas políticas incompatíveis com a democracia representativa. O PT saiu do poder, porém, mais de 30 partidos continuam governando Brasília, estados e municípios. Sem a pressão das ruas, esse sistema político-partidário-eleitoral vai continuar sendo a matriz dos nossos males sociais e econômicos.
Em toda relação abusiva, quem cala consente.

author
Advogado, analista de sistemas e editor do site.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.