Que se vão todos!

te100Michel Temer (Foto: André Coelho)

A delação da Odebrecht, que mal começou, já provoca espanto, horror e nojo. Os atingidos por ela se dizem vítimas inocentes de infâmias e apostam que no futuro serão absolvidos pela Justiça e redimidos pela História.
E nós? O que falta para concluirmos que fomos governados nos últimos 14 anos por um bando de suspeitos de corrupção, mas que seguimos governados ainda por uma parte expressiva deles?
Digo suspeitos porque à luz das leis é o que eles são. Mas é difícil acreditar na inocência deles. Não só pelo volume de indícios e de provas reunidas pela Lava-Jato e oferecidas ao exame de todos nós, como também pelo relato circunstanciado, repleto de detalhes críveis e escabrosos, dos delatores ouvidos até aqui, sujeitos a penas maiores se mentirem ao juiz Sérgio Moro.
O conceito de roubo dos políticos, e dos que azeitam seu mau comportamento, é propositalmente estreito. Roubo seria apenas receber dinheiro de propina. Não seria roubo receber dinheiro omitido à Justiça. No caso, seria apenas um arraigado costume.
Tampouco seria receber dinheiro para defender os interesses daqueles que os ajudaram a ser eleitos. É do jogo. Não é, Lula?
O ensaio de delação de Cláudio Melo Filho, ex-diretor da Odebrecht em Brasília, expôs as vísceras de um sistema político que apodreceu há muito tempo, mas que resiste a ser enterrado.
Dá conta dos gastos da empresa no valor de cerca de R$ 90 milhões com pagamentos de propinas, caixa dois e doações legais para campanhas de 52 políticos entre 2006 e 2014.
Do total, pelo menos R$ 17 milhões foram pagos a parlamentares em troca da aprovação de matérias que favoreceram a Odebrecht. Melo Filho cita 14 Medidas Provisórias aprovadas ou modificadas para se ajustar às necessidades da construtora.
Era a Odebrecht aplicando um dos seus mais caros princípios, o da “Confiança no Ser Humano, no seu potencial e na sua vontade de se desenvolver”.
Entre os políticos que pediram dinheiro à empresa ou que aceitaram dinheiro para beneficiá-la, estão os presidentes da República, da Câmara e do Senado, quatro ministros, dois ex-ministros, o líder do governo no Congresso, os líderes do PMDB, do DEM e do PT no Senado, um senador do PP e outro do PSB, e o presidente do PSDB, Aécio Neves. Fora Lula, Pezão e Alckmin.
Como o presidente Michel Temer imagina reagir ao duro baque que o alcançou pessoalmente, como também aos seus auxiliares de copa e cozinha?
Dirá que os R$ 10 milhões doados pela Odebrecht ao PMDB pagaram despesas de sua campanha na chapa de Dilma em 2014? Se disser, correrá o risco de ver a chapa impugnada pela Justiça Eleitoral, o que parece possível de acontecer.
Temer não reagirá. Estão próximas as festas do fim do ano. Janeiro é mês de férias. Fevereiro, de carnaval. Quem sabe tudo não se acomoda até lá?
Será um erro. Primeiro porque o verão da Lava-Jato promete ser abrasador. Segundo porque a paciência dos brasileiros com Temer está perto do fim. Sua popularidade despenca. Aumenta o pessimismo com a economia.
Os que se deixaram corromper não são culpados só por isso. Deveriam responder pelo crime de subverter a vontade dos que votaram neles. Não foram eleitos para roubar e muito menos para minar o regime democrático.
Mas foi o que fizeram e continuarão a fazer se não forem varridos. Essa tarefa é nossa antes de ser da Justiça, que se acocorou diante de Renan.
Fonte: Blog do Noblat

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *