14 de julho de 2024
Uncategorized

Petista de Direita

Petistas são entes que acreditam em tudo que o Lula fala. Entre outras preciosidades, que ele é a alma mais honesta do Brasil, que pagou a nossa dívida externa, que fez distribuição de renda, que diminuiu a pobreza e a fome como nunca antes na História deste país, que é um líder internacional, que é “o cara” de Obama, que merece ganhar o Nobel da Paz e que nem Jesus Cristo o impediria de vencer as eleições de 2018. A galera esquerdista vibra de orgulho com as falácias de seu líder. Se o Lula tivesse falado, por exemplo, que elefante voa e alguém ousasse discordar seria taxado de ignorante e fascista. Petistas são passionais. Dispensam o cérebro e pensam com a emoção, que, como sabemos, não é boa conselheira.

O Petista de Direita, expressão cunhada por uma amiga atenta que também mora no Porto, define o novo ser que desponta no cenário político nacional: o admirador incondicional do Bolsonaro. Aconteça o que acontecer, o Petista de Direita agirá exatamente igual aos fanáticos de Lula. Senso crítico zero, gritará impropérios em defesa do presidente sem se preocupar em saber o que realmente poderá ter acontecido.
Aviso aos navegantes, não pretendo me comportar assim. Fiz campanha para o Bolsonaro, apoio-o, continuo apoiando, acredito em suas propostas. Mas, se pisar na bola, também criticarei.
O presidente Bolsonaro está há 15 dias no poder. É impossível julgar alguma coisa em tão pouco tempo. Mas já posso louvar o repouso semanal dos jatinhos da FAB, que antes não paravam, levando políticos de lá para cá no fim de semana. Sábado e domingo passados, a frota estava inteira no chão. Uma beleza. Também gosto da configuração da nova política externa, do iniciante retorno aos valores conservadores, da nomeação da maioria dos ministros. Ah, nem preciso dizer que amei a atuação do governo no episódio Battisti.
Não quero falar muito, prefiro esperar. Por enquanto, desagradou-me a ministra Damaris e os seus discursos metafóricos, um tanto fora da caixinha. Incomodou-me a promoção do filho do vice-presidente no Banco do Brasil. Até acredito que não houve nepotismo. Mas foi inoportuna, deu munição à oposição. Também não gosto da permanência de Rodrigo Maia no Congresso. Preocupa-me a continuação dos antigos políticos e seus vícios na esfera do poder.
É tempo de aguardar e de tomar um cuidado enorme para a confiança não me cegar.
Prometo que não serei uma Petista de Direita.
No momento estou como as corujas, claude os, aperi oculos.
Adoro exibir o meu latim.

O Boletim

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *