Bolzano, a porta de entrada para as Dolomitas

Hoje vou falar sobre Bolzano, uma cidade no norte da Itália não tão conhecida dos brasileiros, mas que, por vários motivos, merece ser visitada e que conjuga patrimônio histórico e arquitetônico com paisagens belíssimas ao seu redor.

Bolzano é assim: colorida e animada. (Fonte: Mônica Sayão)

Bolzano é a capital do Trentino-Alto Ádige, uma das vinte regiões em que a Itália é dividida.

Trentino-Alto Ádige faz fronteira com a Áustria ao norte e uma fronteira menor com a Suíça a oeste. Lá fala-se italiano, mas também alemão. Todas as placas, inclusive as com os nomes das cidades, são nas duas línguas nessa parte do país. Culinária, arquitetura, comportamento, tudo remete ao país vizinho do norte, a Áustria, por mais que Mussolini tenha tentado, sem grande sucesso, uma italianização dessa região na década de 1920.

Há uma explicação para isso: até a Primeira Guerra Mundial, Trentino-Alto Ádige pertencia à Áustria (de 1363 a 1918), ou melhor, ao Império Austro-Húngaro. Até então era chamada de Tirol do Sul. Foi anexada à Itália como conquista de guerra. Por isso temos Bolzano em italiano e Bolzen em alemão, por exemplo.

O mapa mostra as vinte regiões da Itália. Trentino-Alto Ádige está em vermelho.
Bolzano e Trento são suas cidades principais. (Fonte: italiahoteis.com.br)

Bolzano é uma cidade rica e elegante, com cerca de 100 mil habitantes. É rodeada por montanhas, as mais próximas não tão altas, onde há pitorescos vilarejos. Há também vinhedos e alguns castelos medievais, tudo isso a 15min do centro da cidade.

Bolzano e as montanhas. (Fonte: Mônica Sayão)
Bolzano com vinhedos e montanhas. (Fonte: www.bolzano-bolzen.it)

A cidade tem uma localização estratégica porque é acessível por autoestrada e ao mesmo tempo é considerada a porta de entrada das Dolomitas, a cadeia de montanhas mais espetacular da Itália. Esse é um diferencial de Bolzano: ser uma ótima base para conhecer as Dolomitas, e ao mesmo tempo estar numa cidade que tem muito a oferecer aos visitantes.

Aliás, como mostram as fotos abaixo, com uma câmera com zoom dá para ver as Dolomitas a partir do centro de Bolzano.

As Dolomitas podem ser vistas da cidade. (Fonte: Mônica Sayão)

Principais atrativos:

1 – Piazza Walther com a Catedral (Duomo):

É a praça principal da cidade que leva o nome de um grande poeta medieval de origem alemã, Walther von der Vogelweide. Sua estátua está no centro da praça. É um lugar muito animado, com hotéis e várias opções de restaurantes.

É lá também que está o Duomo, com seu telhado típico colorido. A catedral foi construída por volta de 1420, mas foi pesadamente bombardeada em 1943. Felizmente foi restaurada com muito cuidado anos depois.

As placas sempre em italiano e alemão. (Fonte: Mônica Sayão)
Piazza Walther é o coração de Bolzano. A estátua no centro da praça homenageia o poeta medieval Walther von der Vogelweide.
(Fonte: Mônica Sayão)
Vista geral da Piazza Walther, com o Duomo à direita. (Fonte: Mônica Sayão)
Detalhe do telhado do Duomo. (Fonte: Mônica Sayão)
Interior do Duomo. Assisti aí a um concerto lindo com coral.
(Fonte: Mônica Sayão)

2 – Igreja e Mosteiro Franciscano:

Construídos entre os séculos XIV e XV, seu claustro é em arquitetura gótica. Há afrescos da mesma época nos corredores do claustro. Vale a pena conferir.

Claustro do Convento Franciscano. (Fonte: Mônica Sayão)

Claustro franciscano com seus arcos ogivais e afrescos na parte superior das paredes.
(Fonte: www.bolzano-bolzen.it)

3 – Piazza delle Erbe:

Imperdível conhecer essa praça, que na realidade é uma continuação da Via Goethe e que muda de nome quando se alarga. Há séculos há uma feira onde vendem ervas, legumes, frutas, queijos e embutidos. Sem contar as flores! Há também espaços com mesas para refeições ao ar livre. Essa feira acontece todos os dias, menos aos sábados à tarde, domingo e feriados. É um lugar animadíssimo e delicioso!

A Piazza delle Erbe é longa, vale explorá-la com atenção. As ruas transversais também são bem interessantes, com comércio bacana, simpáticos cafés, wine bars e bons restaurantes.

Piazza delle Erbe: mercado de frutas e legumes e pequenos restaurantes em frente.
(Fonte: Mônica Sayão)
Como o mercado fica aberto o dia inteiro, é sempre muito animado.
(Fonte: Mônica Sayão)
Piazza delle Erbe. Sem comentários… (Fonte: Mônica Sayão)

Piazza delle Erbe. (Fonte: Mônica Sayão)

Piazza delle Erbe: riqueza de detalhes nas fachadas.
(Fonte: Mônica Sayão)

Será que sou encantada com a Piazza delle Erbe? (Fonte: Mônica Sayão)

Mais das fachadas da Piazza delle Erbe: definitivamente a arquitetura é muito mais austríaca do que italiana.
(Fonte: Mônica Sayão)

4) Passear pelas pequenas ruas transversais à Piazza delle Erbe:

Há muito que se descobrir nas várias ruazinhas que cortam a Via Goethe e a Piazza delle Erbe. É um deleite caminhar sem destino por elas. De repente a gente encontra uma fachada bonita, ou uma loja sofisticada ou recantos acolhedores.

Adoro essa construção! (Fonte: Mônica Sayão)
Há wine bars e cafés super charmosos.
(Fonte: Mônica Sayão)
E recantos que remontam a tempos muito antigos.
(Fonte: Mônica Sayão)

5- Museu Arqueológico do Alto-Ágide:

Há alguns museus em Bolzano mas, na minha opinião, nenhum se compara ao Museu Arqueológico. É simplesmente sensacional!

A grande estrela do museu é a múmia Ötzi, que tem 5.300 anos, sendo uma das múmias mais antigas do mundo, e certamente a mais famosa achada em glaciares. Daqui pra frente vou tratá-la no masculino porque Ötzi era um homem.

Ele foi achado casualmente em 1991 por um casal de alemães que estava fazendo trilha pelas montanhas próximas à Bolzano, na divisa entre Itália e Áustria. As mudanças climáticas que paulatinamente afetam a Terra, e causam degelo em neves antes eternas, foram o motivo de Ötzi “emergir” do meio do gelo. Lembro-me perfeitamente dessa descoberta. Foi notícia no mundo todo, e acompanhei diariamente a evolução da descoberta. Imagino que muitos leitores também.

Aqui está uma réplica de Ötzi, depois de muita pesquisa feita com a múmia.
(Fonte: Mônica Sayão)

O mais surpreendente foi a estado de conservação de Ötzi. Como ficou mais de 5 mil anos sob o gelo, teve seu corpo muito bem preservado, sem qualquer processo de mumificação como fizeram os egípcios. Com Ötzi estavam suas roupas, ferramentas de pedra e também um incomum machadinho de cobre, o que indica o início da Era de Bronze. A múmia estava a 3.210m acima do nível do mar.

Foi uma descoberta e tanto. Cientistas puderam estudar muito sobre Ötzi. Seu estilo de vida, seu biótipo, o tipo de vestimenta, se havia contraído doenças. Há uma reconstituição dele no museu, em tamanho natural, que é interessantíssima de se observar. O próprio Ötzi encontra-se exposto numa câmara azul, com pouca luz, e temperatura bem baixa.

Fachada do Museu Arqueológico de Bolzano. (Fonte: Mônica Sayão)
Ötzi mais de perto. O museu explica como os cientistas chegaram a essa imagem.
(Fonte: Mônica Sayão)

Quando Ötzi foi achado, ele estava com suas roupas preservadas assim como
artefatos de madeira, pedra e cobre. (Fonte: Mônica Sayão)

6- Passear pelo entorno de Bolzano:

Há vários passeios bacanas no entorno de Bolzano. Um deles é passear pelos vinhedos e eventualmente visitar algum deles. Bolzano produz bons vinhos brancos.

Passeio pelos vinhedos é um programa bem simpático.
(Fonte: Mônica Sayão)

Outro programa é pegar o funicular em Bolzano e subir até San Genesio Atesino, um pacato vilarejo de 1.300 habitantes no meio do verde e com vistas sensacionais de Bolzano e das montanhas. Além do funicular, há a opção de ida de carro, é bem rápido e muito interessante.

Vista a partir do vilarejo de San Genesio Atesino.
(Fonte: www.suedtirolerland.it)

Por último, uma visita ao Castelo Roncolo (Schloss Runkelstein em alemão) construído na Idade Média e que possui, em seu interior, cômodos pintados retratando a vida cotidiana dos nobres medievais. Essas pinturas são um testemunho muito incomum de uma época. Há vários outros castelos na região mas acho o Roncolo o mais interessante deles.

Há vários castelos na região mas o Roncolo é o mais interessante para se visitar.
(Fonte: twitter.com/seeyourome)

7 – Passear pelas Dolomitas:

As Dolomitas merecem uma coluna só sobre essa maravilhosa cadeia de montanhas. Imprescindível conhecer, mas fica para o próximo post!

Notícias Relacionadas

4 Comentários

  • LEILA MARIA PEREIRA VIEIRA , 8 de maio de 2021 @ 12:16

    Monica, Bolzano é uma cidade encantadora, gostei imensamente, sua descrição me deu vontade de retornar e as fotos magníficas, aliás como sempre.

    • Mônica Sayão , 14 de maio de 2021 @ 20:25

      Leila querida,

      Desculpe a demora em responder.

      Vamos voltar lá? Eu topo, sempre!

      Bjs
      Mônica

  • Edwiges Chiappetta Azevedo , 8 de maio de 2021 @ 22:28

    Oi Monica, é um prazer rever os lugares dos quais vc nos levou, adorei!!😘😘💖💖

    • Mônica Sayão , 14 de maio de 2021 @ 20:27

      Edwiges querida!

      Bolzano é realmente uma cidade muito agradável e bonita!

      Bj grande,
      Mônica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *