1 de julho de 2022
Junia Turra

Um presidente, três filhos, dois ministros!


Um presidente, três filhos, dois ministros (Moro e Guedes). O povo , eu disse povo: caminhoneiros, lixeiros, desempregados, favelados, miseráveis – o povo que você não vê, não sabe que existe.
O sujeito que trabalha de forma desumana no canavial em Pernambuco, que come calango no sertão da Bahia, a faxineira que sai do extremo da Zona Sul em SP e vem servir a madame em Higienópolis, aquela que vota em FHC, foi estudar em Paris, é daquela esquerda que acha que Nietzsche é filosofo de ponta e Sartre um grande escritor. Lê a Folha e o Estadão e reclamou, na greve dos caminhoneiros, que ficaria difícil levar a mãe dela de 92 anos ao Sírio Libanês e defenestrou a empregada porque a coitada chegava atrasada no meio do caos geral. Claro, gritou que jamais votaria no Bolsonaro, mas quando ficou o Poste doutorado lesado de um lado e o Bolsonaro, mudou logo o rumo da prosa.
Então, no mundo elevado do saber, nas cátedras de Filosofia da Alemanha, Suíça, Áustria, Leste Europeu, América e Ásia: Nietzsche é filosofo medíocre, Sartre é escritor insignificante e só pra lembrar FHC, copiou a tese sobre o filósofo alemão Weber de um português. É o saber da pseudo intelectualidade brasileira “on the left” que ia só até Paris!
Então…
Um presidente, três filhos: todos foram eleitos pelo povo! Paulo Guedes e Sérgio Moro, a base principal que o povo que elegeu a família Bolsonaro quer. No mais…
Militar cumpre ordens e está a serviço do povo. É responsável por manter a ordem e a democracia. Estado laico. Lembrando que cruz em instituições e orações e ensino do catolicismo e do Protestantismo nas escolas é cultura e não compromete o Estado laico. A nossa cultura é cristã, greco-romana.
Me parece que esta parte, a militar, tem deixado a desejar. Talvez tenham afrouxado nos tempos do FHC, Lula, Dilma e Temer. Afinal, conheço muitos de alta patente que berraram pró-Dilma na época do impeachment e que atuaram inclusive na Itália, vivendo como nababos, ou comandavam as fronteiras do Brasil. E formavam novos militares. Ou eles se enquadram ou devem ser enquadrados. Não passam de funcionários do povo. E o povo escolheu e elegeu um presidente e três filhos.
Vale para todo funcionário público.
Aliás, ao invés de cair no jogo da esquerda e dos ressentidos, FICA A DICA: observe funcionários de empresas públicas, secretarias de Estado, Prefeitura, os que trabalham na Justiça, no Legislativo, em hospitais públicos, todos eles são pagos por nós, povo. Se no horário de trabalho você observar que estão reiteradamente usando a rede social em postagens partidárias, fake news: dê um print e comece a denunciar aos amigos e ao setor competente. Somos nós que pagamos. Quem paga, cobra.
E a você que crítica o jeito simplório do Bolsonaro, aprenda, Presidente Jair Bolsonaro!
Ouviu Rede Globo?
Os Presidentes:
No desmantelamento do país tivemos um presidente vaidoso, preguiçoso, inútil, com título de Doutor. O boca de godê duplo, FHC.
Um presidente vaidoso, preguiçoso, inútil, semianalfabeto, com Título de Doutor Honoris Causa garantido na “cumplicidade” com os portugueses, O presidiário, Lula da Silva.
Uma presidAnta que diz ser formada, mas tem formação típica dos lesados da esquerda: não fala coisa com coisa. Usou o radicalismo esquerdopata ao extremo e acabou com o país. Ainda por cima liberou visto para os países Islâmicos e enfiou milicianos de Angola, Moçambique, Haiti, e abriu as fronteiras ao norte, Centro-Oeste/Sul para o crime organizado. Dilma, a louca.
E Temer, ah, o escolhido do Lula, que desde tempos em que era Capo na Assembleia Legislativa de SP já tratava com carinho a questão islâmica e os negocinhos no Porto de Santos. Um vampiro, trabalha na calada da noite.
Chegamos ao fundo do poço.
Os caminhoneiros e o povo viraram o jogo.
O Presidente Jair Bolsonaro tem que desconstruir o Inferno.
Defenestrar Walking Deads e ainda dar conta do mimimi dos que nunca viveram sob a tutela do crime organizado ou a miséria latente e permanente das periferias e dos grotões do país. Os mimadinhos, drogadinhos, doentinhos mentais. Pouco esforço e muita esbórnia. Se acham muito.
O Brasil hoje é um inferno a céu aberto. Um câncer com metástase. Fica quieto que a quimioterapia dói menos.
Um presidente, três filhos e dois ministros.
E militar que bata continência para o povo e o presidente escolhido por ele. É Direita, volver!
Escutou, Mourão?

author
Jornalista internacional, diretora de TV, atualmente atuando no exterior.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.