Andar de carro antigamente era mais perigoso, sim, a gente é que não sabia

Anúncio da VW Variant de 1977
Você certamente já recebeu um textinho parecido com esse por e-mail, WhatsApp ou no Facebook. O autor, saudosista, rememora seus tempos de infância, listando uma série de coisas que hoje são consideradas erradas ou perigosas, mas que ele e seus contemporâneos faziam despreocupadamente “sem que nada de mal acontecesse por isso”. De brincar descalço na rua a comer quilos de torresmo – ou passar horas na praia, sem usar filtro solar, tentando virar um -, as lembranças e um certo desdém pelo excesso de restrições contemporâneas podem variar um pouco, dependendo da versão que você receber. Mas provavelmente, lá pelo meio, ele vai mencionar que, quando criança, não usava cinto de segurança no carro e até costumava viajar solto no porta-malas da Belina, da Caravan ou da Variant de seus pais, também “sem que nada de mal acontecesse por isso”. E os anúncios que você vê neste post, dos anos 1960 e 70, parecem todos reforçar essa ideia, não é mesmo?
Anúncio do Chevrolet Veraneio de 1971

Não gosto de ser desmancha-prazeres ou estraga-lembranças, mas cumpro o dever de dizer que sim, aconteciam coisas ruins, com frequência até. A despeito de, naqueles tempos, circularem pelas ruas e estradas brasileiras muito menos automóveis, as consequências de um acidente sobre quem ia dentro deles eram em geral muito mais sérias do que hoje. O que não havia era internet.

Anúncio da Ford Belina de 1970

Eu fui criança entre a década de 1960 e a de 1970 e me lembro de ver acidentes bem feios na estrada e, também, de ouvir relatos bem tristes de amigos, por mais que os adultos evitassem que nós, crianças, entrássemos em contato com esse e qualquer outro tipo de desgraça – sim, esse é um outro traço comportamental daqueles tempos, em que violência não era algo banal e crianças ficavam impressionadas e podiam ter pesadelos somente por ouvir falar de acidentes e mortes. Pronto, já estou eu também bancando o saudosista, o que não é o meu propósito aqui.

Anúncio Rural Ford Willys 1970

Mudou para melhor
O que quero dizer é que o conceito de segurança automotiva evoluiu imensamente nesses últimos 40 anos, talvez até mais que o restante da tecnologia embarcada nos carros. Não somente em termos de materiais e equipamentos, que hoje nos protegem de forma muito mais eficiente, mas também em no que diz respeito aos “costumes” relacionados a andar de automóvel. Hoje, é absolutamente natural para a maioria das pessoas colocar o cinto ao embarcar num veículo. E você dificilmente verá pessoas esclarecidas deixando seus filhos viajarem “soltos” – é raro uma criança menor de cinco anos que não use uma cadeirinha ou assento especial – ou, pior ainda, dentro do porta-malas de uma caminhonete – quer dizer, de um SUV, que a substituiu há tempos. Pode ser até menos divertido, mas probabilidade de não acontecer nada de mal é de quase cem por cento.

Anuncio da VW Variant de 1978
Anuncio da DKW Vemaguet dos anos 1960

Fonte: Blog Rebimboca

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *