21 de abril de 2024
Colunistas Fernando Gabeira

Brasil e ranking de felicidade mundial

Um ranking da felicidade mundial andou circulando na semana passada. O Brasil aparece no 44º lugar. Os escandinavos figuram, como sempre, na dianteira.

Sou cético diante do conceito de felicidade permanente. Concordo com o poeta Vinícius de Moraes e a vejo como uma gota de orvalho que oscila e cai como uma lágrima de amor.

Trabalho mais com o conceito de segurança, ou mesmo de aversão ao risco. A social-democracia o interpretou bem e ganhou mentes e corações.

Para que se declarem felizes, as pessoas precisam de um sistema público de saúde eficaz. A saúde, para mim, é o fundamento da sensação de felicidade, assim como o bom passe é um fundamento para uma boa partida de futebol.

O Brasil, com sua imensidão e complexidade, tem um sistema público de saúde respeitável. Durante a pandemia, mesmo quem não o usa levantava cartazes com os dizeres “Viva o SUS”.

Conheço casais de idosos que se mudaram para o interior por causa de hospitais públicos satisfatórios em algumas cidades médias brasileiras.

Uma família amiga tem um dos seus internado num hospital público no Ceará. Caso difícil, uma semana de UTI. Se não houvesse assistência gratuita, seu ente querido estaria morto.

Nem tudo é tranquilo. O Fantástico mostrou uma senhora rastejando pelas escadas, pois não pode se mover normalmente por falta de uma prótese. Espera há dez anos. Num hospital federal do Rio há um depósito de próteses novas abandonadas.

A combinação de crime organizado e manipulação política criou um estado agudo de crise nos hospitais federais do Rio. É algo antigo. Gustavo Bebianno, no governo Bolsonaro, denunciou a presença de milícias. Wilson Witzel chegou a anunciar que denunciaria os esquemas no Congresso. Segundo o Ministério da Saúde, houve casos de boa administração no Hospital da Lagoa. Logo, em tese, o problema é solucionável.

Torço para que o governo corra em busca da solução. A tarefa de garantir saúde no Brasil é muito cara. Surgem novas doenças, novas operações. Na semana passada, um brasileiro em Boston liderou o transplante de um rim de porco num homem. Uma pequena revolução.

É preciso muito dinheiro. E, sem uma administração primorosa, nem com muito dinheiro alcançaremos o objetivo.

Não vejo a saúde isoladamente. O caso dos ianomâmis, para os quais o país não acha uma saída, depende muito do contexto. É preciso retirar mineradores e despoluir os rios, as grandes fontes de proteína na Amazônia. Com a água contaminada e sem o que comer, não vejo possibilidade de melhorar o nível, sobretudo entre as crianças.

O ranking mundial de felicidade coloca o Afeganistão dos talibãs como último colocado. Mas, sem água, comida e com hospitais em chamas, bombardeados por Israel, creio que os palestinos encarnam, neste momento, a mais trágica condição humana.

Governos costumam pensar no aumento de consumo para satisfazer seus eleitores. Esquecem que a saúde é um caminho real. Escrevi sobre ela, como se fôssemos apenas um corpo físico. Mas, nos últimos anos, é evidente para todos que os problemas de saúde mental também são muito importantes.

Até determinado momento, eram considerados muito secundários. Ocupar-se deles parecia uma frivolidade diante da gravidade do câncer, das doenças cardíacas.

Lembro-me de que o Butão foi o primeiro país do mundo a considerar a felicidade como critério de avaliação mais importante do que o crescimento do PIB. Mas, de novo, contornarei essa discussão para me fixar apenas na saúde. É um pouco ilusório pensar que governos resolvem a felicidade individual. O que as pessoas dizem na rua é isto:

— Saúde e paz, o resto a gente corre atrás.

O que me leva também a uma intuição nada científica de que o governo obteria sua recompensa se chegasse a um sistema de saúde eficaz e a uma política bem-sucedida de segurança pública.

Os recados da rua não são dogmas, mas às vezes ajudam.

Artigo publicado no jornal O Globo em 25/04/2024

Fonte: Blog do Gabeira

Fernando Gabeira

Jornalista e escritor. Escreve atualmente para O Globo e para o Estadão.

Jornalista e escritor. Escreve atualmente para O Globo e para o Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *