O vinho preferido da adega

Imagem por Carabo Spain em Pixabay

Fazer escolhas nunca é fácil. Apontar uma garrafa como a preferida, em nossas adegas, pode se tornar um problemão. Ainda mais nestes tempos de epidemia: abro ou não aquele vinho especial?

Neste momento, múltiplos fatores entram em ação na nossa cabeça.

Todo vinho que adegamos tem um histórico e um futuro. Precisamos avaliar desde as razões e o momento da compra, até o destino que imaginamos para ele, se é que já pensamos nisto.

Enófilos que se prezam acabam por desenvolver algumas preferências. Por exemplo, uma determinada casta ou região produtora. Ao longo da nossa experiência com vinhos, podemos agregar e filtrar outros pontos, como a safra, que até hoje é o mais importante para alguns, a vinícola ou o produtor. Há quem selecione pelo preço, pelo rótulo, pela forma da garrafa ou pelo tipo de fechamento. Outra influência importante é a opinião de críticos e revistas especializadas.

Compra feita, entram em cena novos elementos. Precisamos decidir o que fazer com a nova aquisição: consumir, guardar, presentear…

Em seguida e naturalmente pensamos no trio “quando, onde e com quem”.

Agora imaginem se em lugar de comprada, esta garrafa, tão especial, nos fosse presenteada? O “quem” já está decidido a priori!

De todas estas opções, levando-se em conta os tempos atuais (ano de 2020), o ponto que mais me preocupa é o “quando”. Creio não estar sozinho neste raciocínio.

Tão complicado quanto decidir qual de nossos vinho é a estrela da adega, é tentar explicar o que nos leva a fazer este tipo de coisa.

Exemplos práticos são melhores que mil palavras, parafraseando um antigo provérbio. Aqui vão duas experiências pessoais.

Tenho a minha garrafa especial, até hoje.

Originalmente eram duas, idênticas, compradas com a ideia de comemorar dois marcos na vida do meu filho: a sua formatura e o seu casamento.

O primeiro destes ritos de passagem foi cumprido exatamente como imaginei. E o vinho estava espetacular.

A segunda garrafa ainda está na minha adega. Meu filho já se casou e foi morar em Portugal com sua esposa. Foi tudo muito rápido e com toda a correria não houve um momento para degustarmos esta preciosidade, acreditem.

Terei que aguardar a vinda deles ou a próxima viagem para visitá-los. O que vier primeiro…

Enquanto isto, já tenho um substituto para o melhor da minha adega. Numa das minhas viagens, visitei uma loja de vinhos icônica com um duplo propósito: conhecer a loja e comprar um dos melhores vinhos daquele país.

Tinha tudo planejado, inclusive quanto pretendia gastar. O fator imponderável era se encontraria o produto, ou não.

Estavam estocados.

Fiquei alguns minutos decidindo entre duas safras: 2012, mais em conta e 2011, que passava do meu orçamento, pouca coisa. Foi minha esposa que decidiu: leve a mais cara!

Que feliz decisão. Assim que chegamos de volta, a Wine Spectator publicou os melhores vinhos daquele ano.

O meu vinho?

O melhor do mundo e na safra escolhida!

Com quem vou degustá-lo já está resolvido.

Só preciso decidir o “quando”.

Saúde e bons vinhos.

Notícias Relacionadas

1 Comentário

  • Avatar
    José Paulo Gils , 31 de julho de 2020 @ 20:22

    *Consumir – se dará durante todo confinamento.
    *Guardar – para poder consumir.
    *Presentear – nos dias de hoje está complicado.

    Outros pontos:
    *Quando – todos os dias.
    *Onde – local do meu confinamento. Minha casa.
    *Com quem – com quem está no confinamento comigo (parte da minha família).
    Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *