22 de julho de 2024
Sylvia Belinky

Bois, vacas, porcos, galinhas…


Tenho tomado sustos homéricos com o que eu chamaria de ausência completa de ética ou, mais especificamente, de humanidade.
A volúpia de ganhar dinheiro, não importa a que custo, nos tornou completamente insensíveis, cruéis, mesmo.
Sei que estou tentando fechar os olhos e dizer: “Não è comigo, não sou eu quem está perpetrando toda essa desumanidade mas, na medida em que não quero me privar de comer carne, tomar leite, comer ovos… não há escapatória possível.
Vou relatar algumas coisas que, mesmo sem procurar, acabei lendo e não posso alegar que não sabia: as vacas, para darem leite, têm que ter as crias. Mas, “não faz sentido” que tenhamos que dividir com o bezerro – notem bem, coloquei não faz sentido entre aspas, para que pensemos na ironia desta frase, ainda que de modo fugaz.
É sem sentido dividir com o bezerro, que deu origem a esse leite. Então ela é … sacrificada, para desespero da mãe, que se vê privada da sua maternidade.
É outra maldade colocar as galinhas em um cubículo, que é o território que irão ocupar, onde mal cabem sentadas, com a luz acesa permanentemente, para que não parem de botar ovos. E, o pouco tempo que elas vivem, passam estressadas bicando-se umas às outras, razão pela qual, lhes cortam os bicos…
Aos pintinhos, que em dois meses devem virar frangos para serem abatidos e comidos, o tratamento é semelhante: pontas dos bicos cortadas, quase sem espaço para pisar…
Sou amante de bichos e costumo dizer que, se entrar portão adentro, seja patinho, pintinho, cachorro ou gato, “vira” Belinky, da família. Mas, onde será que está escrito que são só esses os bichos que precisam de proteção? Será que é porque eles não estão aí, pelas ruas, os porcos, as cabras?…
Porque uma coisa é certa: se depender de mim para matar…esquece!
Mas, fico me perguntando a respeito do “Manual de Maldades” seguido pelos humanos, tão criativo e tão cruel; e lembro do fato de ter visto “containers” de gatos e cachorros destinados ao sacrifício para serem degustados em restaurantes chineses… Como olhar nos olhos do bicho, matá-lo e depois comê-lo? E minha “ética de araque” só me permite ir até aí: mais do que isso e aí vou ficar com fome…
Imagine, desistir dos queijos, do leite, dos iogurtes, do leitão à pururuca, do churrasco… E, nesse embalo, sigo comendo carne, bebendo leite, comendo ovo frito, “abstraindo-me” da sua origem…

Sylvia Marcia Belinky

Tradutora do inglês, do francês (juramentada), do italiano e do espanhol. Pelas origens, deveria ser também do russo e do alemão. Sou conciliadora no fórum de Pinheiros há mais de 12 anos e ajudo as pessoas a "falarem a mesma língua", traduzindo o que querem dizer: estranhamente, depois de se separarem ou brigarem, deixam de falar o mesmo idioma... Adoro essa atividade, que me transformou em uma pessoa muito melhor! Curto muito escrever: acho que isso é herança familiar... De resto, para mim, as pessoas sempre valem a pena - só não tenho a menor contemplação com a burrice!

Tradutora do inglês, do francês (juramentada), do italiano e do espanhol. Pelas origens, deveria ser também do russo e do alemão. Sou conciliadora no fórum de Pinheiros há mais de 12 anos e ajudo as pessoas a "falarem a mesma língua", traduzindo o que querem dizer: estranhamente, depois de se separarem ou brigarem, deixam de falar o mesmo idioma... Adoro essa atividade, que me transformou em uma pessoa muito melhor! Curto muito escrever: acho que isso é herança familiar... De resto, para mim, as pessoas sempre valem a pena - só não tenho a menor contemplação com a burrice!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *