3 de julho de 2022
Colunistas Ricardo Noblat

Janeiro chega ao fim sem que Lula caia nem Bolsonaro suba

Ciro Gomes avança nas pesquisas e empata com Sergio Moro

Isac Nóbrega/PR e Deputado Rosemberg

A leva de pesquisas de intenção de votos aplicadas em janeiro está próxima do fim sem que se registre nenhuma alteração expressiva no ranking dos atuais pré-candidatos a presidente da República em outubro. Isso é muito bom para Lula, mais ou menos para Bolsonaro, e ruim para os demais.

Bom para Lula, porque é mais um mês que se vai com ele disparado na frente dos seus adversários; mais ou menos para Bolsonaro, porque ele segue isolado em segundo lugar, embora a 20 pontos de distância de Lula; ruim para o resto, porque nenhum deles por enquanto ameaça ultrapassar Bolsonaro.

O Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) conferiu que, se o primeiro turno da eleição tivesse ocorrido nos últimos dias 24 e 25, Lula teria obtido 44% dos votos válidos contra 24% de Bolsonaro, 8% de Ciro, 8% de Moro e 2% de João Doria. Novidade, só o empate entre Moro e Ciro, que estava atrás.

O cientista político Antonio Lavareda, presidente do instituto, acha que Lula deve se preocupar mais em manter seu atual contingente de votos (44%) do que fazê-lo crescer. Em 1994 e 1998, Fernando Henrique Cardoso se elegeu presidente no primeiro turno com 36,3% e 33,9% do total de votos, respectivamente.

Em 2002, Lula venceu o primeiro turno com 34,2% dos votos, elegendo-se no segundo, ao derrotar José Serra. Quatro anos depois, o percentual de votos de Lula no primeiro turno foi de 37,1%. No segundo turno, ele se reelegeu derrotando Geraldo Alckmin. Lula, no momento, pode ter atingido seu teto de votos.

Acontece justamente o contrário com Bolsonaro, empacado há meses ao redor da casa dos 24% das intenções de voto. Em 2018, votaram nele, no primeiro turno, 34% do total de eleitores. Hoje, ele tem 10 pontos a menos. Ainda assim, é grande sua vantagem sobre Ciro e Moro, empatados em terceiro lugar.

O Auxílio Brasil, substituto do programa Bolsa Família que começou a ser pago em dezembro passado, não surtiu até agora o efeito de empurrar Bolsonaro para o alto. Nas simulações de segundo turno, não só da pesquisa Ipespe, Bolsonaro perde para Lula por larga margem, para Ciro, Moro, e até para Doria.

O Nordeste é a região que menos vota em Bolsonaro, mas ali ele conserva o que teve no primeiro turno da última eleição. Onde mais perde votos é no Sudeste, não entre os pobres, mas entre os mais ricos e escolarizados, não entre as mulheres, mas entre os homens. Bolsonaro é o candidato mais rejeitado (64%).

Fonte: Blog do Noblat

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.