Outra surpresa

Cinco homens armados com fuzis roubaram, em apenas seis minutos, cinco milhões de dólares, em dinheiro vivo, que estavam sendo desembarcados de um avião cargueiro da Lufthansa. Há controvérsias se o dinheiro estava embarcando ou desembarcando. Nesse foi-não-foi, os dólares acabaram “fondo”. Ou seja, entraram em território nacional. Suponho que ilegalmente. Mas só suponho. De repente, existe um milionário no Brasil que não acredita em operações bancárias. Um ricaço exótico que esperava a grana no saguão do aeroporto para apresentá-la à Receita Federal e pagar o imposto devido. Como sabemos, nesse mundo há louco para tudo.

O fato aconteceu domingo, 4 de março de 2018, por volta das 21h30, em Viracopos, Campinas, São Paulo. Sem mortos, sem feridos, sem dramas, sem alarde.
Embora esteja longe de ser especialista em assuntos financeiros e monetários – não consigo sequer controlar o meu extrato bancário que, aliás, não é lá essas coisas – sei que existem maneiras mais seguras e rápidas de se transportar cinco milhões de dólares de um país para outro. Não vou sugerir o meu modesto cartão Travel Money porque, com certeza, ele não seria o indicado para operação de tal monta. Mas um sólido Banco europeu e outro, quase tão sólido quanto no Brasil, resolveriam o problema com alguns poucos toques no teclado de um computador. O problema é que, aí, a operação seria legal. O que significa a cobrança de todos os impostos das operações financeiras realizadas às claras.
Essa história está mal contada. Não sei se os cinco ladrões que entraram na pista roubaram outros ladrões, os donos do dinheiro ilegal. Ou se os cinco ladrões não eram ladrões. Apenas representavam os ladrões donos do dinheiro, que precisavam dele com extraordinária urgência. Complicado, eu sei. Mas cinco milhões de dólares transportados como carga num avião estrangeiro, embarcados em Guarulhos e desembarcados/roubados em Viracopos, também é uma história complicadíssima.
Alguém ou alguma organização tentou bater o recorde dos 51 milhões de Reais que o Geddel Vieira Lima guardava num apartamento.
Mas o Brasil é insuperável, ainda está para nascer quem desbancará a “catigoria” dos nossos corruptos.
Para os nossos ladrões oficiais, cinco milhões de dólares ainda é coisa de amador.
Que país…

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *