Pequeno Guia para um Anti Americanismo Radical


A visita que o Bolseiro fez aos U.S.A. trouxe à tona um tipo curioso de esquerdinha: o “anti-americano”, que, no entanto, não abre mão de todas as benesses que tem origem “estadunidense”, como eles gostam de dizer.
E, para atender a inúmeros pedidos de amigos americanófobos, eu gentilmente resolvi lançar o Pequeno Guia do Anti-Americanismo Radical – do qual apresento a primeira parte aqui.
Porque chega de usar clichês desgastados e palavras de ordem vetustas para expressar seu desagrado diante do Grande Irmão do Norte.
Afinal, não basta ser anti-americano: tem que ser RADICAL e abandonar TUDO que se relacione com o novo Império de Mordor!
1 – Para viagens a lugares distantes, esqueça o avião: afinal, só Brasil e talvez a França atribuem a invenção do dito cujo a Santos Dumont.
O mundo inteiro considera os irmãos Wright – americanos – como os detentores da honra.
Ir de navio também seria indigno de um verdadeiro anti-americano radical: afinal, embora os humanos desde priscas eras tenham flutuado sobre as águas usando materiais diferentes, o navio como conhecemos hoje também é uma invenção atribuída aos americanos.
Faça o seguinte: saia um pouco mais cedo de casa e vá de bicicleta. Origem alemã. Pelo menos até pesquisarem mais um pouco.
2 – Você, anti-ianque radical, gosta de jazz, blues e rock?
Pois delete todo esse lixo imperialista do seu Spotify: afinal, é tudo invenção americana legítima, mistura de sons africanos com a música européia.
Aliás, toda a música pop contemporânea é tributária direta da música americana – ou você conhece algum gênero dos dias atuais baseado na valsa vienense ou em solos de balalaika russa?
Seja mais radical ainda e substitua toda a música ianque em seu celular por Cantos Indígenas do Alto Xingu.
Dizem que é uma maravilha para malhar.
3 – Nada como uma “calça velha, azul e desbotada”, né não?
Mas o Anti-Americano Radical NÃO PODE usar jeans, já que os jeans como conhecemos hoje – azulzinhos e com botões de rebite – também são uma criação dos pérfidos americanos, através de um cara chamado… Levi-Strauss!
Este Guia sugere o uso de calças de tergal com sapatos Vulcabrás – aqueles dos quais o Maluf fez propaganda!
(Continua)

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *