21 de abril de 2024
Colunistas Joseph Agamol

Essa é a música mais bonita que você vai ouvir hoje

Os anos 70 produziram tantas músicas absurdamente belas, foram campos tão férteis para a expansão da criatividade dentro da música pop, que era mais ou menos inevitável que algo assim acontecesse: o surgimento de uma banda espetacular ser, praticamente, ignorado na época – e quase desconhecido até hoje.

Estou falando do Big Star. Não conhece? Pois é.

Big Star surgiu em Memphis, USA, em 1971, e deixou 3 álbuns com sua formação clássica. E quem para para ouvir se surpreende, se maravilha, se reconhece, se apaixona. Tudo ao mesmo tempo.

Big Star lembra Beatles, em suas harmonias vocais e de guitarras, mas não como cópia – é algo original e puro, doce e melancólico. Você vai reconhecer Big Star em muita coisa que se fez a partir dos anos 80 e 90, porém, sem jamais alcançar o brilho da Grande Estrela. Até no rock mineiro você vai encontrar ecos.

O álbum de estreia dos caras é tão perfeito que custa crer que é… um álbum de estreia. Os executivos da gravadora que não o divulgaram como merecia deveriam receber a pena de lesa-humanidade.

É tudo delicado, sutil, suave, as guitarras e vocais tecendo uma harmonia tão sofisticada que… pensando bem, o Big Star talvez não tivesse mesmo lugar nos dias de hoje, tão ásperos em sua música e estética.

Ouça. Guarde as canções. Toque para seus filhos e netos.

Eu disse que essa é a canção mais bonita que você vai ouvir hoje? Esquece. É a canção mais bonita que você vai ouvir por muito tempo.

Joseph Agamol

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *