Alienígenas do passado

Eu estava placidamente assistindo a “Alienígenas do Passado”, mantendo-me informado sobre as mais recentes notícias envolvendo os reptilianos, quando tocaram a campainha. Contrafeito, levantei-me do sofá onde estava espojado e fui atender.

(Na verdade eu estava sentado e levantei-me foi curioso mesmo. Mas não podia perder a oportunidade de usar “contrafeito” e “espojado” na mesma frase…)

Abri a porta, apareci, como naquela canção do “A Cor do Som” – aliás, bons pacas, recomendo o disco novo, formação clássica, Armandinho, Dadi, Mu, Hélio e Ary – e dei de cara com dois sujeitos de terno, parecidos com Jules Winnfield e Vincent Vega, de “Pulp Fiction”. Ou com os agentes J. e K., de MiB. A ilusão foi tão convincente que me peguei apatetado procurando a câmera. Vai que o Tarantino estava atrás.

– pois não? – disse, gentil e solícito como é meu estado natural. Quase um unicórnio cor de rosa soltando flatos de Nutella.

Os dois se entreolharam e o que parecia Jules/ J. enfiou a mão no bolso interno do terno (“interno do terno” hahahaha) e sacou um pedaço de papel. Por um instante, achei que ia usar aquele aparelho que apaga as memórias. Até que não seria mau negócio: eu tinha inadvertidamente assistido a um trecho de uma live de funk um pouco antes. Ainda estava com “raba” na cabeça. Metaforicamente, bem entendido.

Jules/J. sacudiu o papel na frente do meu nariz e declamou, solene:

– seguinte: vimos que você escreveu um texto sobre Jacqueline Bisset e teve… hum, deixa eu ver aqui… “pensamentos concupiscentes sobre a atriz”.

– peraê! Eu nem escrevi concupiscência nenhuma, essa é boa! Fiz foi uma referência à “Se Todos Fossem Iguais à você”, aproveitando a semelhança fonética de “Bisset” com “você”! Sacou?

O que parecia John Travolta – juro que fiquei esperando ele fazer uns passinhos de “Night Fever” – me olhou com ar de reprovação e disse, como se estivesse falando a um aluno particularmente inapto:

– tsk, tsk. Não importa o que você FEZ: mas sim o que você PENSOU. Essa é só uma advertência: na próxima você será enviado a um campo de reeducação dos pensamentos, onde vai passar 8h por dia assistindo a uma seleção de vídeos.

– não parece tão ruim, ora bolas.

Foi o Jules/ J. que respondeu:

– vídeos da Greta, do Huck e da Fátima. Por OITO horas por dia.

– NÃÃÃÃÃO!

Acordei suando em bicas, como aquela personagem de “TV Pirata” e com duas certezas:

Nunca mais como tacos depois das 20h.

E essa cena, por mais que pareça bizarra, não está distante da realidade.

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *