14 de julho de 2024
Colunistas Ricardo Noblat

Há 20 anos – Tudo vai muito bem, mas poucos notam

Assim é se lhe parece. Ou: o que importa é a versão, não o fato.

O governo é capaz de citar uma série de iniciativas que provam que ele está ativo e fazendo o bem. A impressão que dá não é essa.

O péssimo gerenciamento do episódio Waldomiro Diniz, funcionário da Caixa Econômica envolvido em corrupção, permitiu à oposição carimbar na testa do governo três fortes marcas que lá permanecem:

1- O governo está parado; nada acontece; nada anda;
2 - O presidente não manda; há uma crise de autoridade;
3 - O presidente é um homem despreparado; não está à altura do cargo.

Uma comunicação eficiente poderia atenuar – só atenuar – os efeitos das três marcas. Mas essa comunicação não existe.

Há duas opiniões quase consensuais dentro do governo – que, por consensuais, não necessariamente produzirão consequências.

A primeira: a política econômica tem que mudar. Salvo se Lula se contentar com um só mandato e o PT com a derrota anunciada nas eleições de 2026.

A segunda opinião consensual – até mais do que a primeira: depois de quase um ano e meio, está mais do que na hora de o governo dispor de uma política de comunicação eficiente.

Tamanha é a zorra nessa área que o poderoso ministro Luís Gushiken não se entende com o poderoso marqueteiro Duda Mendonça. Mal se falam. Vivem às turras.

Fonte: Blog do Noblat

Ricardo Noblat

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *