Mil dias de assombração

O governo Bolsonaro comemora mil dias. Já escrevi e falei sobre o tema, analisando a trajetória política desse experimento. Mas ainda não parei para me perguntar como foi possível manter, ainda que de forma precária, a sanidade mental neste país enlouquecido.

Jamais poderia imaginar um governo tão singular como o de Bolsonaro, no qual crimes e trapalhadas se entrelaçam de tal maneira, tragicômico. Quando comecei a entender de política, o confronto esquerda-direita tinha outros contornos. Nosso bairro proletário era getulista. A simpatia juvenil estava ao lado dos vizinhos. Mas havia gente como meu pai, que votava no brigadeiro Eduardo Gomes.

A encarnação da direita naqueles anos tinha outro perfil. Votem no brigadeiro, diziam as mulheres que o apoiavam, ele é bonito e é solteiro. Até um doce foi criado em homenagem a ele.

Quando Bolsonaro postou aquela famosa cena de golden shower, perguntando do que se tratava, percebi que estávamos num outro momento histórico. A clássica e austera direita dava margem a um sensacionalismo radiofônico que, sob a máscara de moralidade, usava as cenas de crime e sexo para garantir audiência.

Quando o então secretário de Cultura, Roberto Alvim, fez um discurso imitando o líder nazista Joseph Goebbels, dizendo que a arte brasileira seria heroica e imperativa, percebi também um novo tom.

Dificilmente os governos militares que dominaram o país a partir de 1964 aceitariam um discurso abertamente nazista, sobretudo porque um dos orgulhos nacionais foi exatamente a participação na Segunda Guerra no lado oposto a Hitler.

Não só a vulgaridade, mas uma certa visão moderna de inconsequente colagem de ideologias estava em jogo. Assim como uma concepção também muito moderna de que não existe a verdade dos fatos, mas apenas versões. O que é mais um componente assombroso da atualidade.

Alguém definiu assim o diálogo com os novos atores políticos: é como se jogasse xadrez com pombos, eles desarrumam o tabuleiro e saem cantando vitória.

A versão cinematográfica de quase todas as taras do governo pode ser encontrada, em cores, naquele vídeo da reunião de 22 de abril de 2020. Em primeiro lugar, a assombrosa fala de Bolsonaro defendendo que as pessoas se armem para combater a ditadura, insinuando que ela se encarnava nos governadores que defendiam restrições sociais contra a pandemia.

Interessante ver como os generais que o apoiam assistiam calados e satisfeitos com o discurso, algo que no passado seria impensável. Na mesma reunião, o então ministro do Meio Ambiente propunha derrubar as regras ambientais, deixar a boiada passar, enquanto o Brasil se preocupava com a pandemia. No mesmo filme, veremos Bolsonaro dizendo que precisa da PF para proteger a família e aliados e um ministro da Educação propondo a prisão de ministros do STF.

Em Leipzig, no início dos anos 90, cobri manifestações dos skinheads, jovens que têm simpatias pelo nazismo. Creio que posso dizer isto com tranquilidade: entre eles havia mais consciência ambiental que no governo Bolsonaro, para o qual devastar os recursos naturais é um ato de fé.

Há todo um capítulo ainda dos rituais próprios do governo Bolsonaro: conversas no cercadinho, motociatas, o escudo com a expressão “imbroxável”, os dedos imitando armas, empunhar o violão como se fosse um fuzil.

Em termos feministas, isso seria uma masculinidade tóxica. Eu diria, a começar pelas motociatas, uma masculinidade evanescente.

Você monta numa motocicleta, ostenta um escudo de imbroxável e, a cada instante, imita uma arma com os dedos: creio que até um estagiário de psicologia arriscaria a óbvia interpretação.

É difícil classificar tudo isso. Não me parece longe de algo que possa ser descrito como a carnavalização do fascismo. É, ao mesmo tempo, engraçado e letal, uma fanfarra em verde-amarelo com 600 mil mortes na pandemia, milhares de árvores derrubadas, milhões de animais carbonizados.

Artigo publicado no jornal O Globo em 04/10/2021

Fonte: Blog do Gabeira

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *