Diário da crise VI

O Estado de São Paulo me pediu um texto sobre as consequências políticas do coronavírus. Queriam apenas 15 linhas. Na verdade, muitas variáveis ainda estão encobertas. Ainda assim, tentei achar um paralelo histórico para essa disputa que acontece entre bolsonaristas e o setor da sociedade que defende o isolamento para preservar vidas.

Lancei o exemplo histórico da Revolta da Vacina em 2004 mas preciso estudar um pouco mais para determinar semelhanças e diferenças. Muitas outras pessoas vão opinar neste interessante iniciativa do Estadão. De qualquer forma, o texto é este:

A grande divisão hoje no Brasil é entre os que querem manter o isolamento social para evitar mortes em massa e os que acham necessário voltar logo à atividade econômica.

Não tenho condições ainda de avaliar que tipo de consequência cada uma dessas posições terá sobre seus defensores. De um lado, o Presidente da República, de outro governadores e a imprensa.

O exemplo mais próximo da Itália terminou com uma espécie de mea-culpa dos defensores da ideia de que não se pode parar para achatar a curva de crescimento do vírus. O prefeito de Milão é um exemplo dos que confessaram seu equívoco em combater o isolamento.

No princípio do século, o Brasil viveu a chamada Revolta da Vacina, uma rebelião popular contra a vacinação obrigatória anti-varíola.

A Revolta da Vacina era uma reação também às mudanças urbanísticas destinadas a melhorar as condições sanitárias de um Rio de Janeiro imundo e empesteado.

As forças em jogo são diferentes e só com um estudo mais rigoroso será possível estabelecer ou descartar o paralelo.

No nível mais imediato, os políticos uma grande pressão para reduzir os custos de seu trabalho, reduzindo salários, racionalizando os gastos, dividindo com a população os grandes sacrifícios por que ela passará.

Fonte: Blog do Gabeira

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *