Teje Prenha!


Depois da gritaria geral que teve quando Gilmar Mendes mandou soltar Adriana Ancelmo, mãe de um filho menor de doze anos e de um baú de jóias preciosas, os juízes resolveram rever a lei que beneficia presas sem condenação, e começaram a distribuir habeas corpus a torto e a direito beneficiando, pelo menos, quatro mil e quinhentas detentas do país inteiro, o equivalente a 10% da população carcerária feminina.
Eles não entenderam, porém, que não foi o fato de outras mães estarem presas que provocou a chiadeira geral, mas sim o fato de Adriana Ancelmo estar solta.
Os Ministros da Segunda Turma, Lewandowski, Celso de Mello e Gilmar Mendes, foram amplamente favoráveis à decisão, já Edson Fachin ponderou que os casos deveriam ser analisados individualmente.
Mas talvez para justificar o benefício concedido à ex-primeira dama carioca, e/ou porque ficaram “enternecidos” com a prisão de Jessica Monteiro, a jovem de 24 anos, que portava 90 gramas de maconha e que quase pariu numa cela, eles escancararam a porteira.
Em discurso de extrema emoção, o Ministro Lewandowski se horrorizou com um levantamento que mostra que SÓ 54% das prisões femininas têm dormitórios adequados para gestantes, que SÓ 32% têm berçários e que SÓ 5% dispõem de creches!
Que coisa, não, seu Lewandowski? Esses números quase se igualam à situação de mães honestas, trabalhadoras, que estão do lado de fora da cadeia! …Assim não dá!
Onde já se viu não ter “dormitório adequado” pra gestantes na prisão? E pensar que a maioria esmagadora das mulheres grávidas brasileiras, mora em “palacetes”, equipados com “dormitórios adequados” ainda que sejam em áreas de risco, sem saneamento básico, sem assistência…
Como é possível que só 32% das cadeias femininas tenham berçário? E pensar que as mães, de fora da cadeia, estão satisfeitíssimas com o número de berçários oferecidos aos seus rebentos…!
E quanto a esse número irrisório de creches nas prisões? E pensar que as mães não presas, que trabalham fora, podem escolher a melhor creche para seu filho, bem perto da sua casa ou do seu trabalho, dada a abundância delas no país inteiro…!
É, seu Lewandowisk, o senhor tem razão! A realidade das mulheres brasileiras nas prisões, é mesmo degradante!
E já comemorando o fato, grávidas soltas como a Jaqueline, investigada por tráfico de drogas, diz em entrevista: “graças a Deus vou ter meu filho em casa. É a melhor coisa que tem na vida”. (A segunda melhor, pra ela, deve ser o tráfico).
E com essas e mais outras, a população tem de ficar cada vez mais atenta aos perigos dessa vida. Até então, a gente tinha de se preocupar com os inimputáveis pivetes, mandados para a linha de frente do combate, por razões óbvias. Agora teremos de ficar atentos às grávidas e às mães de “dimenor”, que têm alvará do STF para cometerem seus crimes à vontade.
E dada a falta de bom senso generalizada por parte dos nossos homens da lei, dá até pra antever o que vai ter de gente se aproveitando da situação! Podem apostar que se um casal for detido após roubar 50 peças de picanha do supermercado, o que é comum, vamos ouvir o marido se defendendo diante do delegado:
– Fui eu não, dotô! Foi minha mulé. Ela tava com desejo,sacumé? Eu só tava empurrando o carrinho!

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *