29 de fevereiro de 2024
Vinhos

Que vinho eu levo?

Sempre que somos convidados para a casa de um amigo, não devemos chegar lá “de mãos abanando”. Mesmo que sejam companheiros de longa data, o gesto de levar um presente sempre será bem visto.

Presentear com uma garrafa de vinho está virando um hábito. Para não errar na escolha é preciso avaliar uma série de pequenos detalhes, nem sempre lembrados.

“Que vinho eu levo” se torna uma questão complexa e com múltiplas opções. Para simplificar, existem duas possibilidades que devem ser consideradas, a partir de a uma simples resposta:

Foi sugerido que fosse levado um vinho?

Se a resposta for negativa e, mesmo assim, levamos um vinho, ele automaticamente se torna um presente e não há, por parte do dono da casa, nenhuma obrigação de servi-lo.

Para escolher este vinho existem parâmetros que podem ajudar.

Levem um vinho que vocês gostem e que já tenha sido provado e aprovado pelo seu grupo de amigos. É uma opção segura. Prefiram vinhos que possam ser adegados, dando a chance de serem degustados numa futura reunião. Optem por vinhos tranquilos sempre que possível, reservando os espumantes para comemorações mais marcantes.

A segunda situação ocorre quando somos instados a levar um vinho, na maioria das vezes, um que que será sugerido pelo anfitrião.

Esta informação deve ser a mais completa possível, por exemplo, incluindo o que será servido. A menos que um rótulo específico seja mencionado, sempre há algum espaço para fazermos a nossa escolha.

Para um jantar, algo mais formal, onde carnes serão servidas, a escolha será um bom tinto. Prefiram vinhos mais jovens e de consumo imediato: Malbec, Tannat e Cabernet, de origem sul-americana, sempre agradam.

Para um almoço com base em peixes e frutos do mar prefiram os brancos e rosados. Além do tradicional Sauvignon Blanc chileno e do bom Chardonnay argentino, esta relação deve incluir brancos portugueses como Alvarinho (vinho verde), Arinto e Maria Gomes, ou os italianos Pinot Grigio e Verdicchio.

Os rosados de origem espanhola seja de Tempranillo ou Garnacha são estupendos.

Levem gelados, não se esqueçam.

Espumantes são como coringas e se adaptam a qualquer situação. Os elaborados no Brasil são de alta qualidade e têm preços muito competitivos. Para inovar, optem por um Pet-Nat, também brasileiro. Há muitas opções à venda.

Neste caso, a nossa recomendação é que o espumante seja usado para abrir a degustação, preparando o paladar para os demais vinhos que serão levados por outros convidados.

Saúde e bons vinhos!

CRÉDITOS:

Imagem de 8photo no Freepik

Tuty

Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

author
Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *