22 de fevereiro de 2024
Vinhos

Maturação e envelhecimento

Parecem sinônimos, mas não são, principalmente quando o assunto for vinho. Há uma sutil diferença, muitas vezes não percebida até por enófilos experientes.

Tecnicamente o vinho é o resultado de uma reação química, a fermentação, quando os açúcares que existem naturalmente no mosto são convertidos em álcool. Neste processo, começam a surgir aromas e sabores que vão deliciar o nosso olfato e paladar. Mas tudo isto só será verdadeiro se dermos “tempo ao tempo”. Recém-saído da fermentação, é uma caldo intragável, selvagem, que tem enorme potencial, mas ainda não desenvolveu, plenamente, todas as suas características organolépticas.

Esta é a fase da “afinação”, como num instrumento musical. O vinho é deixado em repouso durante um bom período, a critério do produtor, em grandes recipientes inertes que podem ser de aço, concreto ou algum material sintético.

Madeira também é usada, com um critério maior, pois pode influenciar no resultado, acrescentando novas características. Tudo dependerá do tamanho do recipiente: quanto maior for, menor sua influência. O Carvalho é a madeira mais comum, mas ainda são usadas, para as grandes dornas, o Castanheiro e a Cerejeira.

Este repouso é a fase inicial da maturação de um vinho e dura até o momento de seu engarrafamento. No caso dos grandes vinhos, a vinícola pode decidir não engarrafar o vinho “afinado” e deixá-lo maturando mais um período, desta vez nas barricas de carvalho, menores, com o propósito de receber novas camadas de aromas e sabores, decorrentes do contato direto com a madeira de origem europeia ou americana.

Muitos especialistas preferem usar o termo “envelhecimento” para definir o que acontece a partir deste ponto. É como se fosse uma nova etapa, após a conclusão do processo produtivo. Mesmo engarrafado, um vinho continua sua maturação ou como preferem os “experts”, evoluindo. O gráfico a seguir mostra as fases da vida de um vinho.

Existe um ponto onde o vinho atinge seu máximo potencial, representado no topo da figura do “sino”. Para cada tipo de vinificação, o que inclui as diferentes castas, este ponto será num momento diferente. Não pensem que é fácil acertar na primeira tentativa. Degustadores experientes adotam um critério de tentativa e erro: compram algumas garrafas da mesma safra de um vinho. Após degustarem a primeira, decidem por quanto tempo vão guardar as outras (ou não …)

Durante sua vida, um vinho harmoniza suas características: os taninos suavizam, a acidez se equilibra, a bebida ganha corpo e desenvolve o seu “bouquet”.

Um dos melhores marcadores para avaliar a idade de um vinho é sua cor na taça, principalmente a suave variação da coloração na borda de contato. Deve ser observada num ambiente claro, contra um fundo branco, inclinando-se levemente a taça.

Nos brancos, vamos encontrara variações entre o quase incolor, para um vinho jovem, até um dourado, indicando um vinho já bem maduro. Para os tintos, a escala começa no violeta, rubi, passa por um marrom avermelhado, terminando numa cor de tijolo, indicativo que o vinho passou de seu tempo.

Degustar um vinho no seu ponto ideal é uma experiência inesquecível. Comprar um vinho, deixá-lo envelhecendo na sua adega e acertar o momento de prová-lo, não tem preço.

Saúde e bons vinhos!

CRÉDITOS:

Foto de abertura:  Ion Ceban – @ionelceban no Pexels

Tuty

Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

author
Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *