9 de agosto de 2022
Colunistas Sylvia Belinky

“Eu sou Rei, eu sou Rei”

Hoje, morreu Jô Soares.

Foto: Google Imagens – Shotoe

Desde que liguei o rádio, ouço de todos que comentam a sua “passagem” que se tratava de uma pessoa generosa, imensamente generosa.

Tinha sempre uma palavra boa, um incentivo, mesmo para quem ele sequer conhecia.

Era capaz de ligar para elogiar um bom texto, uma boa foto…

Que coisa maravilhosa, que exemplo de pessoa para cima, capaz de se desligar de si mesmo e do próprio umbigo, para dar de si – um gênio multitarefa e multifacetado que, definitivamente, não precisava que alguém lhe elogiasse ou lhe abrisse espaço, cuja palavra facilmente poderia criticar, diminuir ou desfazer do próximo, ser capaz de ligar para quem não conhecia e fazer um elogio.

O budismo diz que só podemos ser felizes olhando para o próximo e fazê-lo feliz.

Acredito que a generosidade pode ser aprendida, mas, hoje, ela está em desuso e fazendo muita falta.

Esse grande homem, que acaba de nos deixar, deixou também esse legado.

Muito obrigada, Jô; não só por isso, mas, também, pelas muitas risadas – e fazer rir como você fazia, não é para qualquer um!

Este país, hoje, indubitavelmente, está mais triste e mais pobre.

Tradutora do inglês, do francês (juramentada), do italiano e do espanhol. Pelas origens, deveria ser também do russo e do alemão. Sou conciliadora no fórum de Pinheiros há mais de 12 anos e ajudo as pessoas a "falarem a mesma língua", traduzindo o que querem dizer: estranhamente, depois de se separarem ou brigarem, deixam de falar o mesmo idioma... Adoro essa atividade, que me transformou em uma pessoa muito melhor! Curto muito escrever: acho que isso é herança familiar... De resto, para mim, as pessoas sempre valem a pena - só não tenho a menor contemplação com a burrice!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.