16 de agosto de 2022
Ricardo Noblat

Seleção desencantou!

Agora é festa até quarta-feira

Philippe Coutinho abre o placar para o Brasil no começo dos acréscimos da partida contra a Costa Rica – 22/06/2018
(Max Rossi/Reuters)

Não bastava vencer a Costa Rica, etc e tal.
Apesar do gol que fez, Neymar de topete mais baixo ainda não desencantou. Philippe Coutinho fez a diferença pela segunda vez. Mas não só. O conjunto fez a diferença – incluindo aí o técnico Tite, que ousou tornar o time mais ofensivo quando o jogo cheirava a empate.
A seleção precisava jogar bem para resgatar a confiança da torcida e inspirar temor nos adversários. E jogou – salvo por 10 ou 15 minutos do primeiro tempo, quando a Costa Rica impôs seu ritmo. Controlou a partida. Atacou o tempo todo. Não se desesperou no final.
Até aqui, esta vem sendo uma Copa de poucos gols, de vitórias apertadas e de ferrolho multinacional. Candidata ao título, a Espanha derrotou o Irá por magro 1 x 0. Por 1 x 0, o Uruguai passou pelo Egito e pela Arábia Saudita, e a França pelo Peru.
Respeitemos o choro dos argentinos, que dependem do desempenho alheio para não voltar mais cedo à sua casa. E o choro dos peruanos, que durante 36 anos sem disputar uma Copa, já estão fora dela novamente. O jogo que lhes falta é só para cumprir a tabela.
Cada agonia a seu tempo. A depender do jogo contra a Sérvia, e dos resultados do Grupo F, a seleção poderá enfrentar na fase seguinte da Copa a Alemanha ou o México. Melhor o México. Mas que venha a Alemanha. O assombro do 7 x 1 precisa ser exorcizado.
Fonte: Veja Abril

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.