9 de agosto de 2022
Ricardo Noblat

Se arrependimento matasse…


Pertence e seu labirinto
O advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence, durante sessão no STJ – 06/03/2018
O advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Sepúlveda Pertence, durante sessão no STJ – 06/03/2018 (Gustavo Lima/STJ/Divulgação)
José Sepúlveda Pertence, ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, atendeu ao apelo de Lula para defendê-lo por duas boas razões: gosta dele há muito tempo, ambos são amigos. E considera injusta a condenação de Lula a 12 anos de cadeia.
Não cobrou um tostão para defendê-lo, nem cobraria. Fez tudo por “uma boa causa”, como ouvi dele há dois ou três meses. Se não fosse possível evitar o impedimento da candidatura de Lula a presidente, pelo menos tentaria libertá-lo.
Sempre considerou a liberdade, mesmo com eventuais restrições, mais importante do que a candidatura. Foi por agir assim que se deu mal e acabou atropelado pelo próprio Lula e por outros advogados dele que insistem em obter as duas coisas.
Mesmo assim é improvável que Pertence abandone a defesa de Lula. Não resistirá a um apelo dele para que continue ajudando. Mas o fará com maior discrição. Cada vez mais à sombra.

Jornalista, atualmente colunista de O Globo e do Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.