Bolsonaro caga para o que não quer ouvir e aposta no golpe

O presidente subestima a força do exército desarmado

Alan Santos/PR

A última vez que a sombra de um golpe militar cobriu o país foi no segundo semestre de 1984. O general João Figueiredo era o presidente da República. A ditadura de 64 agonizava. E seu substituto seria escolhido pelo Congresso. Havia dois candidatos: pela situação, Paulo Maluf, ex-governador de São Paulo, e pela oposição, Tancredo Neves, ex-governador de Minas Gerais.

Tancredo temia que a linha dura do regime se insurgisse contra a possibilidade de ele ser eleito. E não faltavam sinais de que isso não era descartável dada à fragilidade da candidatura de Maluf. Em anos anteriores, militares e grupos paramilitares promoveram atentados terroristas, inclusive com mortos. E Tancredo era acusado de ter o apoio de comunistas. Mas não houve golpe.

De lá para cá, o país atravessou sete trocas de presidente a céu aberto sem que os militares ameaçassem intervir: José Sarney deu lugar a Fernando Collor, que deu lugar a Itamar Franco, que deu lugar a Fernando Henrique, que foi reeleito. Lula se elegeu e se reelegeu, assim como Dilma, que deu lugar a Michel Temer, que deu lugar a Jair Bolsonaro. Houve dois impeachments.

A sombra do golpe militar, porém, está de volta. Eleito com o apoio compacto dos seus ex-colegas de farda, o ex-capitão afastado do Exército por conduta antiética ameaça não deixar o cargo se perder a eleição do ano que vem. E se depender das Forças Armadas, ele não perderá. E se perder, continuará no cargo por cima de pau e pedra ou com a ajuda de pau, pedra e brucutu.

Somente nesta semana, meia dúzia de pesquisas de intenção de voto mostraram que o governo Bolsonaro balança, balança, e que se não se cuidar a tempo poderá cair antes da hora. A pesquisa Datafolha, divulgada ontem à noite, conferiu o tamanho do estrago produzido na imagem do presidente pela associação entre a pandemia, a corrupção e a CPI da Covid-19.

Se em junho do ano passado 44% consideravam Bolsonaro competente, agora, só 36%. Se 52% o consideravam incompetente, agora, são 58%. Há um ano, 48% julgavam Bolsonaro honesto; agora, 38%; 40% o avaliavam como desonesto, agora 52%. Em abril de 2019, 24% disseram que ele respeitava mais os pobres; agora, 17%. Diziam 57% que Bolsonaro respeitava mais os ricos; agora, 66%.

No começo do governo, 58% achavam Bolsonaro muito inteligente; agora, 39%. O índice dos que o consideravam pouco inteligente era de 39%; agora, 57%. Em 2019, 59% dos brasileiros consideravam o presidente sincero. Nesta quinta, 39%. Para 35%, ele era falso. Agora, é falso para 55%. Quando ele assumiu a presidência, 52% o achavam preparado para exercer o cargo. Agora, só 34%.

Nas últimas 24 horas, Bolsonaro fez o melhor que sabe – cagou para a CPI que havia lhe enviado uma carta, atacou os senadores que a comandam, bateu duro em ministros do Supremo Tribunal Federal e repetiu que sem voto impresso não aceitará os resultados das eleições do próximo ano. Comportou-se, em resumo, como o engenheiro do caos, maximizando os conflitos.

Como espera recuperar parte da popularidade perdida para não ficar de fora do segundo turno das eleições? A essa altura, se não recuperar, a única coisa que lhe resta é apostar no golpe. Bolsonaro minimiza a força do exército desarmado – a Justiça, parte do Congresso, a opinião pública, a mídia e os movimentos sociais. Sem falar de uma conjuntura internacional avessa a golpes.

Em menos de três meses, Bolsonaro correu pela segunda vez para aconselhar-se com o ex-presidente José Sarney. Perdeu tempo. O que Sarney tem a dizer-lhe, Bolsonaro não quer escutar. Ele só ouve a própria voz.

Fonte: Blog do Noblat – Facebook

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *