30 de maio de 2024
Uncategorized

São Paulo contra a febre amarela ou contra a Prefeitura?

Para preservar a ambos, amigo e macaco, não vou mencionar nome ou local.

A foto é em frente à casa dele, hoje, num bairro considerado “nobre” de São Paulo, e a prefeitura entendeu que o risco de incidência da Febre Amarela é baixo.
Como não tem vacina, esses bairros recebem menos (ou nada) doses. O Doria criou na cidade uma versão moderna de Escolha de Sofia, implantando as malditas senhas.

Se o sujeito estiver inscrito no Programa Saúde da Família em alguma UBS, ele recebe senha. Se não estiver inscrito, não recebe. O ônus para conseguir um serviço que é direito adquirido é do próprio cidadão, ou seja, se não estiver inscrito, ele deve ir até a UBS e se inscrever, voltar pra casa e esperar a dita senha.
Cinicamente, o prefeito-gestor comemorava ontem a vacinação em 100 mil pessoas, na cidade que tem mais de 12 milhões de habitantes.
Alckmin deveria ser denunciado à OMS por omissão e má gestão na saúde à população. C&A para os alertas, que ele tinha muito antes do estouro da boiada. O pensamento do governo é simples: morreu? Está dentro da estatística.
Campanha? Nem pensar. Verba de comunicação é pra ser usada como instrumento de valorização pessoal.
Edição 1 – Quem ainda tomou nenhuma dose da vacina, e estiver em SP, que tem um prefeito de merda que só pensa em virar presidente, vá para São Bernardo. Não exige comprovante de residência ou qualquer outra burocracia. SBC deve ter um prefeito que sabe perfeitamente por que foi eleito.
Já entrou água no chopp das senhas para vacinação, e nem por isso o processo está sendo facilitado para o cidadão.
Algumas USB-unidade Básica de Saúde não têm pessoal suficiente para sair de casa em casa. Então o cidadão deve comparecer à UBS, fazer o cadastro e voltar para vacinação em dois ou três dias (fácil, né mesmo?)
Esse é o sistema de um gestor, como o prefeito #JoaoDoria gosta de ser identificado. Ágil, eficiente, e produtivo.
Ontem o gestor-prefeito comemorava a vacinação de 100 mil pessoas, na cidade com 12 milhões de pessoas. São Bernardo do Campo, que está operando com esquema muito mais ágil e respeitoso, vacinou 700 mil pessoas (muitas da capita do Estado, evidentemente dadas as dificuldades impostas pelo “gestor”.
Curiosidade malvada: o repórter que está cobrindo a pauta para a #Globonews repete ad-nauseum, em cada entrada ao vivo: as senhas são entregues A domicílio. Fio, as senhas são entregues EM domicílio, ok?

O Boletim

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *