Malas Sansonite

Há três anos, o Porto é considerado o melhor destino turístico europeu pela imprensa especializada.
Isso significa que, mal começa a primavera, a cidade é invadida por hordas de turistas que acabam por perturbar a nossa paz, a dos nativos dessa bela e amorosa cidade. Claro que me incluo entre os locais. Esqueci o meu passado. Agora sou do Porto com muito orgulho e muito amor. Daqui não saio, daqui ninguém me tira.

Minha casa fica ao lado de uma dos maiores lojas de departamento do mundo: El Corte Inglés. Amo, é o meu recreio quando a cabeça começa a dar nó com tanta informação sobre babados e bainhas. Basta dar uma voltinha pelos muitos andares – seis superiores, cinco subterrâneos – e, voilá, recoloco os neurônios em seus devidos lugares.
Nem preciso dizer que o Corte Inglés é o ponto preferido da brasileirada que aterrisa na minha nova cidade. Adoro observá-los. É bom que se diga que aqui existe um museu, o Serralves, com jardins belíssimos e uma extraordinária exposição de Miró. Já fui vê-la três vezes e nunca encontrei um brasileiro. Mas gastando dinheiro no Corte Inglés, eles circulam às centenas.
Semana passada, acompanhada de duas primas que me visitavam, estava na seção das malas da loja supracitada, quando uma perua made in Brasil, muito alegre e saltitante, segura de si à enésima potência, dirigiu-se ao vendedor:
– O senhor tem malas Sensodyne?
Senti que começara um espetáculo e eu não o perderia de jeito algum. Fiquei por ali, fingindo observar uma coisa e outra, com os ouvidos atentos à conversa maluca.
O vendedor, pego de surpresa, custou a engatar no papo:
– Sensodyne? Não conheço, tem certeza de que a marca é esta?
– Claro que tenho. São as melhores, caríssimas. Quero comprar duas.
Enquanto a patrícia borboleteava a sua exuberância tola, o vendedor entendeu a gafe. Deu um meio sorriso irônico e disparou:
– Sensodyne é uma pasta de dente. A senhora está na seção errada.
A moça não perdeu o rebolado. Deu uma risada, comentou o quanto era tolinha e se corrigiu:
– Isso mesmo, que bobagem a minha. As malas que quero são da marca Sansumg.
Minhas primas e eu saímos dali rapidinho, antes de sermos identificadas como seres oriundos do mesmo planeta.
Garanto a veracidade do relato, Tenho duas testemunhas. Invocarei-as, se necessário for.
Vexame pouco é bobagem.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *