A Justiça chora!


Aos poucos a gente começa a entender porque as pessoas desistiram. Porque ninguém mais vai às ruas e porque ninguém para essa bagaceira de país em que nos transformamos.
A repulsa maior é contra o Judiciário. Contra juízes corporativistas que atendem aos apelos da mãe-desembargadora e tiram da cadeia um traficante de alto coturno. Juízes que vendem sentenças e continuam recebendo salários e benefícios quando afastados. Juízes como Marco Aurélio de Mello que anteontem mandou soltar um traficante pego com mais de 200 quilos de droga. Ou como Gilmar Mendes, que vem debochando das leis e da nossa cara há anos.
Eles não têm com o que se preocupar. Não dependem do voto do cidadão, apenas são sustentados por eles. Enquanto esses psicopatas tiverem poderes vitalícios, esse país permanecerá na mais profunda lama.
A repulsa maior é contra um juiz que manda soltar um homem que ejaculou em cima de uma mulher dentro do ônibus, e ainda sentencia que o ato não configura constrangimento ou violência. Que homem é esse? De que material ele foi forjado para expressar uma sentença que pune a vítima e desmotiva as denúncias ? Será que essa criatura tem algum grau de humanidade? Terá mãe, esposa ou filha? Qual seria a sentença se o fato tivesse ocorrido com uma delas? Detalhe: o sujeitinho protegido pelo juiz tem nada menos do que cinco acusações de estupro.
Até quando a sociedade ficará exposta a mentes psicopatas como essas? Ejacular em cima de uma mulher dentro de um ônibus não configura constrangimento?
A sociedade não foi calada pelos políticos. Foi calada por um judiciário imundo, prepotente e cheio de homens e mulheres com transtornos psiquiátricos. Em sã consciência ninguém teria coragem de escrever uma sentença nesses termos. É um doente. Um ser abjeto e desclassificado.
Não vamos mais para a rua, não paramos o país porque já entendemos que a impunidade é endêmica, enraizada e intransponível.
Meu mais profundo pesar àqueles que celebraram uma mulher à frente do STF. Aquela que disse ser “inadmissível, inaceitável e insuportável ter que conviver sequer com a ideia de violência contra a mulher”.
Frases vazias que servem para valorizar títulos de matérias nos jornais. Nada mais. Fraca, acovardada e conivente. O Poder Judiciário atual trabalha a favor da criminalidade. Ponto.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *