Uma substância pode virar o primeiro remédio capaz de frear a osteoartrite

Em estudos iniciais, pesquisadores notaram que a molécula interrompeu o avanço da doença, também chamada de artrose. Nenhum tratamento faz isso hoje
Por Maria Tereza Santos

Remédio pode ser o primeiro capaz de impedir a progressão da osteoartrite
(Foto: Henrik Sorensen/SAÚDE é Vital)

Cientistas do Instituto de Pesquisa Krembil, no Canadá, realizaram os primeiros testes de um tratamento com potencial de frear a osteoartrite – também conhecida como artrose. Essa degeneração das articulações provoca dor, dificulta o movimento e, atualmente, não conta com um medicamento verdadeiramente eficaz.
“Essa descoberta é importante porque não existem remédios ou terapias que impeçam o avanço da enfermidade. Atualmente, eles apenas amenizam os sintomas e a dor”, afirma, em comunicado à imprensa, o farmacologista e líder do estudo, Mohit Kapoor.
Como foi feita a pesquisa
Antes de tudo, os experts identificaram uma molécula presente no corpo, chamada de microRNA-181 a-5p. Acredita-se que ela cause inflamação e destruição da cartilagem das juntas – portanto, estaria intimamente ligada à artrose.
O próximo passo foi criar um bloqueador dessa partícula, na tentativa de interromper os danos provocados por ela. Aí, tecidos de animais e células coletadas de pacientes receberam doses desse candidato a tratamento contra a osteoartrite.
E os resultados iniciais foram positivos. No laboratório, o bloqueador de fato evitou a degeneração articular em células de joelho e da coluna.
“A tecnologia para barrar a osteoartrite ainda está no início, mas essa pesquisa já é um grande passo. Se conseguirmos desenvolver uma injeção efetiva e segura para os pacientes, essa descoberta pode mudar o jogo”, aponta a cirurgiã ortopédica do Hospital Toronto Western, Raja Rampersaud, que colaborou com o trabalho.
Segundo os estudiosos, a próxima etapa é determinar uma dosagem e desenvolver um método de injetar o bloqueador diretamente nas juntas.
Fonte: Saúde Abril

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *