Conheça 8 fatores que agravam as olheiras


Até mesmo o uso errado da maquiagem pode aumentar os círculos escuros abaixo dos seus olhos
POR NATHALIE AYRES
Olheiras são um problema comum entre mulheres e homens e que costuma incomodar bastante. Mas antes de lançar mão de toda a gama de corretivos que existem hoje em dia, saiba que entender o que está causando suas olheiras é fundamental para combatê-las e até mesmo evitá-las!
Na maior parte das vezes as olheiras estão ligadas à genética. “Normalmente o paciente tem uma tendência a ter olheira e por conta disso, vai depositando pigmento na região abaixo dos olhos no decorrer da vida, ou apresentando problemas na região”, explica o dermatologista Abdo Salomão, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).
Dada essa predisposição, são diversos os fatores que podem causar as olheiras, mas de um modo geral, ela pode ser classificada em dois tipos: ?uma delas é vascular, quando os vasos sanguíneos ficam visíveis, que normalmente tem a coloração azulada. Já a outra é a pigmentar, quando há acúmulo de melanina na região, e por isso terá a cor marrom”, ensina a dermatologista Tatiana Steiner, especialista pela SBD. Mas é muito comum que as pessoas apresentem esses dois tipos de olheiras misturadas.
Além disso, normalmente a predisposição a ter olheiras é aumentada por alguns fatores e hábitos. Entenda melhor quais são eles e como eles influenciam no problema:
Cansaço e choro
Os momentos em que as olheiras mais dão as caras é depois de uma sessão de choro ou uma noite mal dormida. Em ambos os casos, o escurecimento da região aparece devido a um problema circulatório. “As pálpebras são áreas terminais da face, e por isso ficam com muita vascularização, deixando a pele mais azulada”, sinaliza a dermatologista Mônica Aribi, membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).
Nesses casos, em que a má circulação é temporária, é possível amenizar as olheiras com alguns cuidados em casa: “É indicado o uso de compressas calmantes com água termal ou chá de camomila. Sempre gelado para ter um efeito anti-inflamatório devido a vasoconstrição”, explica a dermatologista Tatiana Steiner, especialista pela SBD.
 
Maus hábitos
Hábitos de vida também podem influenciar no aparecimento de olheiras: tabagismo, privação de sono e estresse podem desencadear essas marcas por influenciarem diretamente na circulação do corpo todo, inclusive das pálpebras, dilatando os vasos e fazendo com que mais sangue apareça nessa região.
Nesses casos mais graves, além de usar as compressas três vezes ao dia, tratamentos estéticos podem ser indicados, como cremes anti-inflamatórios com ativos como camomila, arnica, calêndula, alantoína, própolis, bardana e vitamina K1. “A drenagem linfática facial é ótima nesses casos e existem também alguns lasers para o tratamento”, enumera a dermatologista Mônica.
 
Pele fina
Quem tem a pele fininha costuma apresentar olheiras mais ressaltadas. “Esse tipo de pele permite maior visualização dos vasinhos externos das pálpebras. Pessoas mais claras e com excesso de vasos periféricos costumam apresentar este tipo de olheira”, indica Tatiana Steiner. Em geral, uma boa forma de reconhecer isso é através da observação: pessoas com pele mais fina tendem a ficar vermelhas com mais facilidade, por exemplo.
Nesses casos, alguns tipos de tratamento podem ser feitos. Nos casos de pele fina sem flacidez, o ultrassom estético focado pode firmar a área dos olhos, podendo ser feito uma vez ao ano. “Laser infravermelhos ajudam a aumentar a espessura da pele, e podem ser feitos três vezes ao ano”, ensina a dermatologista Mônica.
 
Flacidez
Além disso, é normal que pessoas mais velhas apresentem uma pele mais fina, isso acontece devido às alterações hormonais que ocorrem com a idade, em maior ou menor intensidade. Em geral essa característica também está ligada à flacidez da pele: “o globo ocular sofre um deslocamento dentro da órbita e a gordura infraorbital é deslocada anteriormente, formando uma depressão e sombreado abaixo dele”, descreve Tatiana.
Para quem tem esse problema é possível lançar mão de cremes com diversos tipos de ativos, como:
– Antioxidantes, como as vitaminas A, C e E;
– Agentes de renovação, tais quais o retinol, alfahidroxiacidos, ácido glicólico;
– Agentes tensores, como os ativos raffermine, tensine;
– Fotoproteção solar, que impede a degradação do colágeno na região.
Tratamentos como a radiofrequência também ajudam. Nela, o calor emitido pelo aparelho estimula a formação de colágeno, o que enrijece a pele. O preenchimento com ácido hilaurônico também ajuda: “com essa técnica é possível afastar a pele dos vasos sanguíneos, diminuindo o aspecto escuro”, finaliza a especialista.
Por fim, se a flacidez já estiver muito acentuada, a blefaroplastia, cirurgia plástica das pálpebras, ajuda a colocar a pele da região no lugar, melhorando seu aspecto.
 
Esfregar os olhos
O hábito de esfregar os olhos constantemente aumenta as olheiras e isso ocorre devido a dois mecanismos: primeiro por que o ato irrita a pele da região. “A melanina atua como uma proteção, se acumulando na região afetada”, explica Mônica. Portanto, pessoas que têm tendência genética a acumular melanina na região devem evitar esfregar os olhos com frequência. Nesses casos, o uso de hidratantes e massagens locais ajudam.
Além disso, o hábito de esfregar os olhos com força pode prejudicar a circulação. “O hábito pode acabar congestionando os vasos periféricos, levando à vermelhidão, escurecimento da área, inchaço e até a trauma, dependendo da intensidade”, alerta Tatiana Steiner. Nesses casos, o ideal é usar cremes com ativos para descongestionar e reduzir o edema (como camomila, arnica, calêndula, alantoína, bardana e vitamina K1) e outros que clareiam a região (tais quais a hidroquinona e vitamina C), conforme explica a especialista.
 
Exposição solar inadequada
Pessoas que tem tendência a acumular melanina na região dos olhos podem ter a olheira piorada pela exposição solar sem proteção. “A exposição solar excessiva proporciona o aumento da pigmentação e a diminuição da espessura da pele”, descreve Tatiana. Ou seja, as olheiras aumentam e ficam muito mais visíveis. Além disso, o hábito também ocasiona olheiras vasculares, pois causa a dilatação dos vasos sanguíneos da região.
Nesses casos, o primeiro passo é sempre usar protetor solar no rosto, hábito que não só previne olheiras, como também evita outros problemas de pele, como o envelhecimento e o câncer de pele. Além disso, o uso de cremes com ativos específicos para a região, tanto calmantes quanto clareadores, ajuda bastante a melhorar o aspecto da região. Entre os clareadores, a vitamina C e o ácido azelaico são boas opções.
 
Maquiagem
Não tirar a maquiagem da região dos olhos adequadamente é outro fator que pode aumentar as olheiras. Isso acontece por causa da pigmentação, pois a coloração escura fica na região. “Ocorre também uma desidratação na região, pois a pele fica ‘fechada’ e não permite uma circulação do oxigênio que nutre a pele”, adiciona Mônica Aribi. Por sorte, esse tipo de olheira é temporária, basta limpar melhor a pele da região para que ela se reverta.
 
Olhos fundos
A anatomia do rosto também pode favorecer olheiras, ou no caso criar uma ilusão de uma pele mais escura abaixo dos olhos. “A área abaixo dos olhos é mais côncava, portanto quem tem olhos mais profundos apresenta uma sombra na região”, considera a dermatologista Tatiana.
Nesses casos pode parecer que não há solução, mas tem como resolver sim. Um bom truque é usar um corretivo mais claro na região, que vai contrabalancear a sombra da região. A técnica, no entanto, pode evidenciar que a região está mais clara em locais bem iluminados ou ao tirar uma foto com flash, por exemplo.
Uma solução mais eficiente para o problema é a aplicação de ácido hialurônico no local. Ele reduz a profundidade dos olhos, reduzindo a sombra causada. Mas o ideal é que ele seja feito por um dermatologista experiente, para que o resultado fique natural. Além disso, é importante ressaltar que o ácido hialurônico é reabsorvido pela pele com o tempo, portanto, pode ser necessário fazer a aplicação novamente.
 
Fonte: Minha Vida

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *