9 de agosto de 2022
Colunistas Marli Gonçalves

Agosto ao gosto

Agosto é sempre mês difícil, longo, chato, a gente já invoca com ele até por tradição, para não perder o hábito, embora estejamos cobertos de razões – históricas – para desejar que ele passe logo. Mas agora, olha só, não é que o Brasil está acordando, despertando sua sociedade civil? Fique atento, tem Carta importante chegando para você, para nós, brasileiras e brasileiros na luta pela democracia

Este agosto já começou meio esquisito, embora na verdade as coisas aqui já andem bem esquisitas faz tempo, notadamente nos dias e meses dos últimos quatro anos. Mas no próximo dia 11 fique esperto, que o tradicional Dia do Pendura pode começar a despendurar a gente dessa situação esdrúxula que vivemos. Será o dia da leitura da nova Carta aos Brasileiros, que já conta com quase um milhão de assinaturas, em Ato Público na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, em São Paulo, 45 anos depois daquela que marcou, em agosto de 1977, o início da luta conta a ditadura. Saiba, conheça, participe, assine também, registre que recebeu e apoia essa correspondência. E o bom é que até já há outras cartas parecidas saindo do forno de importantes entidades, inclusive empresariais. Receba!

Dia 11 de agosto é o Dia do Estudante. E o Dia do Advogado, quando a gente costumava ouvir falar dos estudantes de Direito que se juntavam, iam aos restaurantes, comiam, bebiam, e na saída apenas deixavam ao garçom um bilhete, que cantarolavam, em verso: “Garçom, tira a conta da mesa e ponha um sorriso no rosto. Seria muita avareza cobrar no dia 11 de agosto”. Era o Dia do Pendura.

O esperado terror dos donos de bares e restaurantes, e uma tradição que foi acabando, até que não faz muito tempo, e porque já são tantos os cursos de Direito, mais de 1500, que o prejuízo começou a ser mesmo gigantesco, e o “pendura” bastante questionado. Aliás, até por ser crime comer e sair sem pagar a conta – o que pega bem mal em tempos politicamente corretos, e embora esta tenha sido sempre uma brincadeira tradicional, secular.

Mas voltando ao mês do desgosto, que agora até já nos levou uma pessoa marcante como o Jô Soares, e onde continuamos sabendo da morte diária de centenas de brasileiros vitimados pela Covid, quando nos apavoramos com o surto de uma doença antiga como a varíola – mais uma que precisará, se descontrolada, que nos afastemos da proximidade uns dos outros quando mais dela necessitamos. Estamos sempre em alerta, das coisas daqui, das coisas do mundo, das repetitivas ameaças.

Olha só. Há 12 anos publiquei uma crônica “O gosto de agosto”, em vários lugares, e que agora revisitei. Me causou grande surpresa com as coisas que então enumerei sobre esse sabor amargo: … “Aqui tivemos um presidente que renunciou; um presidente que se matou. Já aconteceram muitas coisas estranhas em agosto, o que nos faz mesmo ficar com o rabo e a barba de molho”… – um dos trechos.

Na crônica de, veja bem, mais de uma década atrás, eu dizia que adoraria poder prever um pouco o futuro. E não é que no fundo, vejam só, de novo estamos quase que exatamente assim:

“Este ano não será diferente. Só pior. Tem eleições indefinidas. Tem seleção indefinida. Tem situação mundial esquisita, lá longe e aqui perto. E como agosto se alastrou de vez, tem óleo na praia, fora acidentes bem fatais, muitos crimes passionais e tragédias climáticas. Fora doenças esquisitas e metamorfoses ambulantes. E eles, todos, os líderes, sem soluções, só com promessas. Têm, inclusive, entre eles, uns meio malucos aparecendo, e se criando, já ano após ano. Coisas que já vimos acontecer e que não dá certo; perigosas, justamente porque movimentam as massas” …

Portanto, saindo para comprar um turbante, lustrando a bola de cristal, concentração: lá vai minha mais nova previsão!

Unidos, conseguiremos sair desse agosto de 2022 pelo menos com mais esperança. Alguma esperança.

Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. (Na Editora e na Amazon).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.