Explicando…

Foto: Arquivo Google – https://www.caminhoes-e-carretas.com

Estou recebendo questionamentos sobre o fato de o exército brasileiro estar atuando na construção, duplicação e recuperação de vias no país:
1) Isso não é novidade nem invenção do Bolsonaro. As obras na BR-163 começaram em governo anterior e não evoluíram sob a responsabilidade de construtoras por impasse de verbas. Não precisa explicar o porquê, todo mundo sabe do envolvimento delas em crimes de corrupção e lavagem de dinheiro;
2) Essa BR, dentro do Pará, é importante corredor de escoamento de grãos para exportação. Não dá para adiar as safras. A duplicação do trecho é de apenas 65 km e deve contribuir para com a chegada dos produtos ao porto;

3) Essa obra começou no governo anterior, já com participação do exército brasileiro;
4) Não há pagamento extra e nem custeio de mão de obra, uma vez que os soldados já são pagos pelo governo;
5) Para quem acha estranho ou inapropriado o exército ser convocado para a tarefa, vale saber que o seu setor de engenharia é altamente capacitado e atua dentro das mais modernas tecnologias.
5) A participação do exército em obras de infraestrutura começou em 1880, por determinação de D.Pedro II, ainda no Brasil Império. Foram alvo dessa ordem ferrovias, estradas, pontes, portos e outros;
6) O próprio Porto de Santos, em 1901, teve ajuda do exército em sua construção, bem como, recentemente, a ferrovia Ferroeste, o Terminal 3 de Guarulhos, et etc;
7) Em decorrência de crise, o governo pode recrutar a exército para realizar obras;
8) O Bolsonaro ou qualquer outro não está reinventando a roda, mas dispondo dos recursos do país;
9) As fronteiras não estão desguarnecidas para o cumprimento dessas atividades. Como em uma empresa, o exército tem seus departamentos e especialidades;
10) Vamos nos informar antes de levantar acusações e fazer julgamentos.
** Exército recupera BR-163. Isso para a mídia ideológica não é pauta.

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *