Por que não te calas?

Por que será que ninguém manda o provecto FHC calar a boca? Além de ter começado, entre outros crimes em série, o mensalão, e de ter sido testemunha de defesa do estuprador de cabras, o macróbio ex-presidente tem a parcimônia de elogiar e enaltecer Botafogo (Rodrigo Maia) e Batoré (Alcolumbre).

O Botafogo foi denunciado por receber propina da Odebrecht, entre outros crimes, e Batoré, por exemplo, gastou cerca de R$ 1 milhão em de hotel de Macapá, sua cidade natal, onde mora, que tem como tarifa mais cara R$ 140,00. Ou seja, cerca de 7 mil diárias (???).

Até eu, hoje uma dona de casa, sei que não se combate inflação com juros altos, mas cortando despesas. Ou seja gastando menos do que se arrecada e atraindo investimentos produtivos. Na virada de 1994/95, os juros chegaram a mais de 60% ao ano, enriquecendo rentistas. E a taxa de inflação em 1995, foi de 22%, e continuou variando 9% ao ano, em média, até 2002.

“No primeiro governo de FHC a inflação já tinha acumulado 43%. Somando os dois governos, o acumulado chegou a 100%. E pior, ao acabar o período, em 2002, a taxa tinha voltado a uma inflação de dois dígitos, marcando 12,5% e subindo.

“Essas elevadas taxas de inflação prejudicaram a estabilidade cambial, desafiando até a incrível taxa de juros real adotada, que terminou gerando apenas riqueza financeira para os mais riscos e reduzindo o investimento produtivo.” [fonte: Jornal GGN].

Sem falar que as privatizações foram ações entre amigos, com dinheiro do BNDES, a juros subsidiados pagos pelo povo. Privatizar sim, sempre; doar, não!

Infelizmente a idade avançada e a prescrição dos crimes, sem nem precisar contar com a “magnanimidade” do STF, vai garantir a FHC a impunidade.

O Presidente Bolsonaro e seu governo está desmontando esse ciclo vicioso instalado no Brasil há décadas. Por isso vemos esses ataques sórdidos e incessantes desferidos contra ele.

Chama-se síndrome de abstinência de corrupção. Simples assim…

Tristes tropiques. #Dia15PorBolsonaro

Notícias Relacionadas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *