9 de agosto de 2022
Joseph Agamol

“Pão quente, muito na mão e pouco no ventre”


Já dizia o dito popular.
E quem sou eu para desdenhar da sapiência do povo simples, mas, com sua licença, amigo leitor:
– há coisa melhor de manhã cedim que um pãozinho assim quentinho, branquinho, cheio de diminutivos?
Eu sei que “à boa fome, não há mau pão”, mas ponha reparo nesses que fotografei com esmero, no intuito confesso de deixá-lo com vontade e muita?
Afinal, “pão proibido abre o apetite”, e não seria maravilhoso se você clicasse nessa imagem a que eu marotamente lhe expus logo cedo, e salvasse para comer mais tarde?
Copiar e colar a manteiga Aviação, o bule de café espesso e cheiroso, o açúcar mascavo, quão bom seria?
Imagina fazer download de todas as coisas boas que o planeta oferece?!
O café negro e translúcido do Quênia, o pôr do sol naquele exato momento em Manhattan, a areia fininha da praia na Ilha do Governador há décadas, imagina se a gente pudesse?!
Mas você pode copiar e colar o meu desejo que você tenha um bom dia e uma semana estupenda.
Afinal, “bom é o pão com dois pedaços.”
Bom dia.

author
Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.