23 de maio de 2022
Joseph Agamol

A garota que voltou a viver

Foto: Darius Bashar

Ela acordou e abriu um olho só. O cachorro – Tom, que nome mais clichê, diziam, mas ela gostava, nome de uma sílaba só, fácil de aprender – dormia aos seus pés.
Ela olhou o relógio: cinco da manhã.
Ainda estava escuro lá fora. Ela pusera o celular para tocar bem cedo porque queria voltar a correr nesse dia. Queria.
Ela calou o celular. Ajeitou Tom com os pés para mantê-los aquecidos. Se enrolou mais nas cobertas. Fechou os olhos. Hoje não. Amanhã. Sim, amanhã, sem falta. Hoje estava sem ânimo.
Quase voltou a dormir. Como sempre. Quase. Mas não dessa vez.
Um segundo antes do sono abraçá-la de novo em seu abraço de amante possessivo, ela pensou na etimologia da palavra “ânimo” e se perguntou desde quando começou a perder a alma, a fagulha vital da existência.
Perguntou-se em que momento começou a perder a coragem.
Apenas uma fração de milésimo de segundo antes de voltar a deslizar para o sono – o sono confortador e perigoso, como um mergulho em profundas águas oceânicas, o sono que a dominava praticamente o dia inteiro e que agora parecia observá-la com olhar acusador – ela saltou da cama como um brinquedo de molas antigo.
Como alguém que emerge de uma escuridão intensa e viscosa, lodosa e densa.
Ela arregou os olhos e abriu a boca, num quase grito cortando a madrugada, como uma faca abrindo caminho em meio a um espesso e encantado bosque.
O ar escapou de sua garganta num “uff” audível e controlado. Ela levantou, os olhos ainda arregalados. Olhou o calendário da farmácia na parede. Sério? SÉRIO?! Estava há MESES se movendo numa dança lenta e sinuosa, que parecia levá-la cada vez mais para o fundo?
Lembrou de quando era criança e da tarde em que se aventurou sozinha no mar, com sua mãe na areia. O mar a puxou. Ela quase deixou, estava cansada, tão cansada… Mas algo não permitiu que desistisse: podia chamar do que quisesse, anjo, deva, força, energia, Deus…
Ela se arrancou dos dedos envolventes do mar, garota ainda, e nadou de volta para a praia. Sua mãe dormindo na areia.
Ela preparou um café. Abriu a janela. Que droga, se quando era guria ainda tinha conseguido, por que não dessa vez?
Por que não hoje?
Por que não AGORA?!
Ela terminou o café, sorriu como há muito tempo não sorria e abriu a janela: a luz e os cheiros poderosos do dia que surgia a atingiram como uma cabeçada nos rins. Começou a rir, rir na janela, os poucos passantes na rua a olhando com ar assustado, riu até os olhos arderem e ela perceber que estava chorando também, o sal das lágrimas trazendo de volta o sal do mar daquela tarde em que ela tinha VENCIDO, sim, ela fora vencedora.
E podia vencer de novo agora. Ia precisar de ajuda, claro. E ela ia pedir. Dessa vez, sim. Agora era diferente, porque ela QUERIA.
Despiu-se e vestiu a roupa de corrida: calça da Adidas, uma blusa do Batman, o suporte do celular no braço. Pensou que parecia o Rambo se armando para a guerra. Riu de novo, com gosto.
Calçou os tênis Nike.
Quem é mesmo que tinha dito que uma jornada de mil quilômetros começava com um único passo? Confúcio? Oscar Wilde? Droga, Iron Maiden?
Caiu no riso de novo, abriu a porta, desceu de escada, mandou um beijo para o porteiro e correu.
Correu para a vida.

author
Professor e historiador como profissão - mas um cara que escreve com (o) paixão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.