22 de julho de 2024
Colunistas Ilmar Penna Marinho

Os últimos suspiros da mídia antidemocrática


Em 7 de novembro de 2019, a maioria do Supremo proibiu a prisão de condenados em 2ª instância. O ex-Presidente Lula, 2 vezes condenado em 2ª instância, foi solto, junto com centenas de perigosos criminosos.
O voto do Ministro Celso de Mello foi decisivo para o quórum de 6 a 5.
No atual “totalitarismo judicial” do STF, pródigo em interpretações personalistas da Constituição, o líder do PT na Câmara entrou com uma “notícia-crime” para a prisão de “militares promotores de manifestações antidemocráticas”, em Brasília.
Em patriótica NOTA DE REPÚDIO, o Gal. Eduardo José Barbosa, presidente do Clube Militar, a tradicional Casa da República, fundada em 1887, reagiu à processualística de “ódio pelo governo federal e pelos militares”:
“ – Manifestações, cada vez com maior frequência, contestando a atuação dos qualquer um dos poderes da República… não se pode dizer que esses movimentos são antidemocráticos”.
O Ministro decano Celso de Mello, sorteado para julgar, um dia após os rufos dos tambores da NOTA, não aceitou, ou melhor, “não conheceu o pedido” petista, porquanto “os protestos promovidos contra o Supremo não são antidemocráticos”.
É bom saber.
Por outro lado, é difícil não repudiar, em pleno isolamento social e no auge dessa tragédia humanitária, a sórdida campanha antidemocrática das concessionárias de televisão, que dependem de autorização federal para funcionar e prosperar.
A Rede Globo, à míngua de anunciantes oficiais e com uma diminuta audiência, apega-se em priorizar a ofensiva inconstitucional contra o Presidente Bolsonaro.
Tornou-se a maior divulgadora de óbitos do país com seus funestos balanços de mortos e de contaminados da Covid-19. Explora reportagens das irreparáveis perdas de entes queridos com imagens aterrorizantes de hospitais em colapso e de covas abertas.
Os 35 mil “recuperados” do surto epidêmico são sepultados nas trevas da emissora.
Sabe-se que os entrevistados passam pelo crivo da casa. Os aprovados se dispõem a usar a pandemia como arma de guerra contra o Presidente da República e o governo federal.
Na semana passada, a CNN Brasil superou a TV Globo na tramoia do ódio.
Convidou a Secretária de Cultura do governo Bolsonaro, Regina Duarte, para uma entrevista. A sabatina virou um “tribunal de inquisição” para humilhar a entrevistada. As redes sociais reagiram em solidariedade à “namoradinha do Brasil”.
Temos pela frente semanas decisivas na guerra de vida e morte nas sombras da dor e do sofrimento nas UTIs lotadas no entretenimento da letalidade da pandemia.
A guerrilha midiática anda solta à cata do sensacionalismo nas instâncias judiciais (o negativo resultado do coronavírus, o disse-me-disse da ex-gestão Moro, a invasão cotidiana da vida privada e pública presidencial, os surreais enredos de impeachment…), numa perseguição para desestabilizar as instituições e promover a volta da velha República, o reino encantado da corrupção, em que se locupletavam de verbas oficiais publicitárias.
Até quando a população aturará os abusos midiáticos que devastam o futuro do Brasil e ignoram a decisão do Ministro Celso de Mello e a NOTA DE REPÚDIO, interpretadas pela coronamídia como um salvo-conduto para violar o Parágrafo IV do art. 221 da Constituição, que condena o desrespeito aos “valores éticos”.
O momento é da UNIÃO DE TODOS na cruzada da Paz com Deus para vencer a Besta do Covid-19.
AS REDES SOCIAIS REPUDIAM A SÓRDIDA MÍDIA QUE DEIXOU DE   PRIORIZAR O COMBATE AO CONVID-19 PARA POLITIZAR A PANDEMIA.

Ilmar Penna Marinho Jr

Advogado da Petrobras, jornalista, Master of Compatível Law pela Georgetown University, Washington.

Advogado da Petrobras, jornalista, Master of Compatível Law pela Georgetown University, Washington.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *