23 de abril de 2024
Colunistas Ilmar Penna Marinho

A politização da coabitação com os ratos

Com os gigantescos protestos nas cidades europeias de apoio aos agricultores, as passagens dos caminhões de lixo foram interrompidas nos centros urbanos.

O famoso conto “O Flautista de Hamelin” narra como um “caçador de ratos” foi contratado pela cidade alemã para expulsá-los. Com a sua flauta mágica os enfeitiçou e os afogou no Rio Weser. Surgiu um desentendimento com as autoridades locais, que não quiseram pagar os serviços contratados. Bastou o caçador tocar a flauta e as ratazanas do poder sumiram…

Ainda que apontados, como destruidores de cerca de 20% da produção mundial de grãos, a Prefeita de Paris, Anne Hidalgo, como influente ativista, defende a “coabitação” com os roedores. Vangloria-se de poder atender ao antigo apelo dos protetores de animais, contrários a qualquer extermínio de ratos na capital francesa.

Sua proposta é duramente combatida, enquanto os ratos famintos proliferam nas vias urbanas parisienses, não tendo ainda a vizinhança da Torres Eiffel se acostumado à “coabitação”…

No Brasil, estima-se haver, em média, 5 ratos por habitante e uns 10 nas grandes capitais.

Adota-se medidas preventivas de combate nas residências e pratica-se coletas regulares de lixo nos circuitos urbanos, quando há o suporte de investimentos e uma infraestrutura municipal adequada, apta a eliminar o acúmulo de lixo com a ajuda dos ratos famintos.

A Prefeita de Paris, em outubro de 2019, concedeu o título de “cidadão honorário da capital francesa” ao atual mandatário brasileiro, na época, preso, em Curitiba, condenado por corrupção pelo seu envolvimento no maior escândalo da história da República do Brasil.

Madame Hidalgo não resmunga, velho hábito francês, ao saber dos resultados negativos de um ano de ratazanas palacianas no poder, que devoraram o Erário: o país fechou 2023 com um déficit primário de R$ 230,5 bilhões, ante o superávit de R$ 126,0 bilhões, em 2022, o povo arcou com aumentos dos impostos e dos preços nos supermercados e ainda pagou os abusivos gastos das 35 luxuosas viagens internacionais do Ratão, com visita turística às Pirâmides do Egito com sua numerosa comitiva.

Que Deus ajude as flautas patriotas expulsarem as ratazanas palacianas, famintas para devorar o futuro da Nação brasileira.

Ilmar Penna Marinho Jr

Advogado da Petrobras, jornalista, Master of Compatível Law pela Georgetown University, Washington.

Advogado da Petrobras, jornalista, Master of Compatível Law pela Georgetown University, Washington.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *