17 de abril de 2024
Colunistas Ilmar Penna Marinho

A gloriosa expansão das Redes Sociais

Com muito atraso, a telefonia móvel começou a funcionar em dezembro de 1990 no Brasil.

O revolucionário invento permitia a comunicação instantânea com outras pessoas, que aderiram à onda da novidade e aposentaram o telefone fixo preto.

O brasileiro passou a solucionar por uma linha direta personalizada as suas pendências, ou simplesmente tratar de assuntos pessoais, inclusive namorar…

Hoje, beira o irracional alguém não ter um celular no convívio social ou no trabalho, não dar ouvidos, em privado ou em público, ao seu onipresente toque estridente, musical ou pessoal.

A telefonia móvel evoluiu tecnologicamente e transformou os celulares em computadores, dando vazão a serviços bancários e às redes sociais com a suas infinitas teias de informações, que devem ser sempre conferidas, para evitar a invasão das Fakes News.

Foram os celulares que desmentiram as escandalosas manchetes jornalísticas sobre o “sumiço de 261 itens da residência oficial” e a “falsa acusação” de Lula de que o antigo casal ocupante os surrupiou.

Tudo mentira: após as devidas buscas os objetos foram achados no próprio Alvorada!

Sobre a recente 1ª Reunião Ministerial, as redes sociais, conectadas aos celulares, preveniram que os ocupantes dos altos cargos discutiram o uso da “Fábrica de Mentiras” para conter a queda do Himalaia da popularidade do Chefão (-35%) e as reclamações sobre os maus resultados socioeconômicos do 1º ano de governo e as 1.412 denúncias de corrupção.

É de se reconhecer o êxito do SOS das redes sociais de alerta à população de que, com uma suposta data marcada, seriam censuradas, sob a criminosa acusação de semear Fake News.

Houve um eficaz protesto na internet e uma vitoriosa mobilização no Congresso.

Uma “Nota oficial” foi emitida pelo governo, garantindo ser “falso que iria monitorar telefonemas, WhatsApp e redes sociais numa data específica.”

Com tantas perseguições criminosas aos desafetos, as redes sociais temem que a nação descambe na passagem dos 60 anos do 31 de março de 1964 para o absoluto “totalitarismo” profético de George Orwell (1984), diante da aterrorizante verdade sobre o salvador exílio do ex-mandatário na Embaixada da Hungria, invalidada pelas caluniosas “narrativas” de um ex-condenado por corrupção, que não cumpriu a pena de 9 anos e 6 meses e uma vez solto, voltou para a cena do crime.

Que Deus proteja o Brasil da “manipulação da verdade” e da legalidade.

Ilmar Penna Marinho Jr

Advogado da Petrobras, jornalista, Master of Compatível Law pela Georgetown University, Washington.

Advogado da Petrobras, jornalista, Master of Compatível Law pela Georgetown University, Washington.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *