8 de agosto de 2022
Colunistas Fernando Gabeira

Diário da crise XXXVIII


Hoje andei às voltas com algumas boas notícias. Sem perder de vista, é claro, a tragédia que vivemos no planeta.
Uma delas veio da Nova Zelândia, um pais com dimensões continentais e uma população em torno de 4,2 milhões de habitantes, portanto bem pequena.
Liderado pela jovem Jacinda Arden o país proclamou vitória sobre o coronavírus. Não há mais casos. Este não é o único fator da vitória: o país tem condições de rastrear novas casos, se aparecerem.
As atividades econômicas serão retomadas. Haverá alguma restrição às atividades sociais. O país quer sair cautelosamente para este momento pós coronavírus.
Portugal também anunciou o fim do estado de emergência no dia 2 de maio. Foi também um país bem sucedido na luta contra o coronavírus, embora tenha de manter precauções pois está ao lado da Espanha numa Europa muito atingida.
Um fator de peso em Portugal foi a união de governo e opositores contra o adversário comum. Enfatizo esse aspecto pois escrevi sobre ele quando o vírus ainda estava circunscrito a Wuhan, na China. Naquela época, afirmava que somente uma resposta nacional e solidária teria alguma eficácia contra o vírus.
Outra boa notícia veio da Universidade de Oxford. Os cientistas que trabalham a vacina acham que podem concluí-la até setembro de 2020, portanto um ano antes das previsões mais conservadoras.
Eles testaram em seis macacos e os resultados foram satisfatórios. Além disso, constataram que não faz mal aos seres humanos e pretendem iniciar os testes com 6 mil pessoas.
Se realmente, tudo der certo, como parece até agora, no final do ano a vacina pode ser um presente de Natal e um horizonte mais tranquilo para 2021, ano em que teríamos apenas que lidar com a terrível crise econômica.
Finalmente, uma notícia me espantou hoje: a sugestão de Trump para que fossem suspensos os voos do Brasil para os Estados Unidos.
Ele afirmou que o Brasil vive um surto sério e que tomou uma posição diferente de outros países sul-americanos.
A posição negacionista de Bolsonaro foi inspirada em Trump. Temos 60 mil casos de Covid-19, os Estados Unidos chegaram hoje à marca de um milhão de casos.
O surto nos EUA, por maior que seja nossa subnotificação, é muito mais sério do que o brasileiro.
De qualquer forma, se Trump reage assim, é sinal de que nossa imagem sanitária no mundo não anda boa.
Isso tem uma enorme repercussão. Mesmo depois de passada a crise, as questões sanitárias terão peso não só no fluxo de pessoas como no de mercadorias.
No momento, ainda é difícil transmitir para as pessoas o impacto das posições do Bolsonaro não só na imagem do Brasil como na nossa relação individual com o exterior.
Estou falando de Donald Trump. Será que também ele é de esquerda?
Fonte: Blog do Gabeira

Jornalista e escritor. Escreve atualmente para O Globo e para o Estadão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.