14 de abril de 2024
Adriano de Aquino Colunistas

Fábula multiculturalista global

Em um vilarejo da antiga Pérsia viviam os irmãos Cássim e Ali Babá.

Cássim era um rico comerciantes de tecidos, Ali Babá vivia na pobreza.

Um dia Ali Babá cortava lenha na floresta quando viu ao longe uma nuvem de poeira. “— Que será isso?”.

Ao perceber que era uma gangue que vinha em sua direção escalou uma árvore e se malocou na folhagem.

Do alto via tudo sem ser visto. De lá contou que a gangue tinha quarenta homens muito bem armados.

O chefe da gangue foi até uma pedra e ordenou:

— Abre-te, Sésamo !

O resto vocês sabem…

Foto: Google Imagens – Forbes Brasil

Séculos depois, na China, Jack Ma, um modesto professor de inglês malocou-se no politiburo e ouviu a senha:

-Abre- te, capitalismo estatal.

A caverna abriu para Ma e ele tornou-se cofundador do site AliBaba, em homenagem ao personagem da antiga fábula persa.

Então, sua vida mudou radicalmente.

Jack Ma, ‘sócio’ dos 9.000 mil membros da gangue estatal do politiburo, amealhou para si um tesouro estimado em US$ 58,4 bi e tornando-se o homem mais rico da China.

Um dia Jack decidiu voar para outras paragens, onde se respira ar mais puro.

Desde então Jack desapareceu.

Evaporou, ninguém sabe seu paradeiro.

Os seus ‘sócios’ do politiburo decidiram penalizar Jack o acusando de ‘abandono de emprego’ e, na mão grande, estatizaram seu negócio.

Fim da fábula.

Adriano de Aquino

Artista visual. Participou da exposição Opinião 65 MAM/RJ. Propostas 66 São Paulo, sala especial "Em Busca da Essência" Bienal de São Paulo e diversas exposições individuais no Brasil e no exterior. Foi diretor dos Museus da FUNARJ, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas /FUNARTE e outras atividades de gestão pública em política cultural.

Artista visual. Participou da exposição Opinião 65 MAM/RJ. Propostas 66 São Paulo, sala especial "Em Busca da Essência" Bienal de São Paulo e diversas exposições individuais no Brasil e no exterior. Foi diretor dos Museus da FUNARJ, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas /FUNARTE e outras atividades de gestão pública em política cultural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *