23 de fevereiro de 2024
Adriano de Aquino

Uma coisa não se pode contestar

Imagem: Arquivo Google – O Dia

16 anos de “progressismo” no poder consolidou um legado muito difícil de ser revertido.
Quanto tempo, recursos humanos e financeiros serão necessários para reverter o legado negativo da educação brasileira, o exorbitante custo da máquina pública, a encastelada corrupção institucional sistêmica , a ineficiência e os sórdidos benefícios conferidos às altas autoridades do estado?
Isso para não falar na consolidação da fama internacional da ORCRIM que, graças à colossal impunidade e à parcerias e subsídios fantásticos como da Ordem de Advogados,ONGS e partidos políticos, hoje compete com a secular MÁFIA italiana na atração de grupos internacionais criminosos a se instalarem no país.
No sábado(17) a Polícia Civil do Rio de Janeiro desbaratou um empreendimento criminoso que se instalou no país. Uma ‘empresa’ chilena foi presa no sábado (17) após invadir um apartamento e fazer uma família refém no bairro do Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste do Rio.
O “empresário” chileno confessou em depoimento à Polícia Civil que foi incentivado a atuar no Brasil porque avaliou que os subsídios progressistas fizeram o sistema penal brasileiro ser mais brando do que em outros países da América do Sul.

Adriano de Aquino

Artista visual. Participou da exposição Opinião 65 MAM/RJ. Propostas 66 São Paulo, sala especial "Em Busca da Essência" Bienal de São Paulo e diversas exposições individuais no Brasil e no exterior. Foi diretor dos Museus da FUNARJ, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas /FUNARTE e outras atividades de gestão pública em política cultural.

Artista visual. Participou da exposição Opinião 65 MAM/RJ. Propostas 66 São Paulo, sala especial "Em Busca da Essência" Bienal de São Paulo e diversas exposições individuais no Brasil e no exterior. Foi diretor dos Museus da FUNARJ, Secretário de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Nacional de Artes Plásticas /FUNARTE e outras atividades de gestão pública em política cultural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *