2 de julho de 2022
Walter Navarro

Em busca do Brasil perdido e desaparecido

Tenho 51 anos, logo nasci em 1962 e, mês que vem; dia 9 de outubro, completarei, se Deus quiser e tomara que queira; 52 aninhos de pura travessura.

Gosto de bares e sempre sou abordado por vendedores de tudo que é tipo de loteria ou jogo. O problema é que por preguiça ou esquecimento, não confiro os resultados. Já devo estar quase milionário várias vezes… Uns vendedores, por experiência, acertam em cheio o ano de minha inauguração neste mundo.

Vejam a ilustração de hoje: com minha idade e ano de nascimento. Comprei as duas tirinhas, dando preferência a estas duas desaparecidas porque as outras e outros eram muito feios.

Acho interessantes as fotos de desaparecidos, eles têm mesmo cara de desaparecidos. São como as fotos de vítimas de acidentes aéreos que, dia seguinte, saem nos jornais e revistas. Todos têm cara de “dead people”. Aqueles sorrisos do além, olhares de túmulo, cores e nomes de jazigos perpétuos…

Juro, toda vez que pego um avião, faço questão de analisar os passageiros que vão embarcar comigo. Se tiver uns três com cara de defunto, não embarco.

Porque desaparecidos e vítimas fatais de acidente, pra mim, são como estes eleitores que, entrevistados, declaram estar indecisos, que não sabem ou que não responderam.

Vejam este exemplo bem brasileiro.

Morreu o Eduardo Campos, num acidente aéreo, mesmo não tendo cara de morto. O cara virou santo guerreiro, da noite para o dia, só porque morreu. Morto, coitado, tá valendo mais que vivo, deixando de presente esta herança maldita, a Marinacéfala!

E para onde foram TODOS os votos desta turma indecisa, que não sabiam e sabiam nem responder?

Para a Marina, claro.

Se bem que conheço ninguém de meu relacionamento que vai votar nela.

Ufa! Até que enfim consegui escrever um texto pequeno. Acho que dei o recado, em bem traçadas e parcas linhas.

Resumindo henrique cardoso, Marina é bem a cara do tipo de candidata cujos eleitores são indecisos e sabem de nada. Nem responder, nem quando estão com fome.

ps: volto em breve com as fantasias eróticas de meus amigos, aguardem!

N.E.: Texto publicado em 05/09/2014

Jornalista, escritor, escreveu no Jornal O Tempo e já publicou dois livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.