30 de maio de 2024
Walter Navarro

Com prazer é mais caro

renangate
Calheiro é quem trabalha com calhas.
Calha, calheira, é um cano aberto na parte superior, assemelhado a um sulco, rego, feito de materiais diversos (cobre, zinco, pau etc.), para escoar propinas que caem dos socalcos da Mendes Júnior.
Calhau é um pedaço de rocha dura como uma cara de pau.
Na linguagem jornalística, calhau é “pequeno anúncio do próprio jornal usado para cobrir espaço publicitário ou de texto não utilizado conforme previsão”; resumindo, um negócio bem inútil pra tapar buraco.
Calheiro é o estômago verdadeiro dos ruminantes; substância que serve para que coagule o leite, coalho.
E um Renan Calheiros, o que é? O que come? Onde vive? Como, com quem e com que dinheiro se reproduz?
Renan com Re de Réu!
A melhor que li até agora foi: “o Pavor do Renan é ser preso e rasparem o implante dele…”.
Implante pago com que dinheiro?
Renan fez implante porque é vaidoso.
Renan fala bem e usa ternos bem cortados.
Mas nada disso tira a cara do caráter dele. Aquela cara de usineiro; menino e, depois, senhor de engenho. Daquele tipo que engravidava as escravas para aumentar o número de escravos; depois de o tráfico ser proibido…
Por que Renan é vaidoso, com bons ternos e implante?
Por que Renan é insaciável com o dinheiro público?
Dizem que poder e dinheiro são afrodisíacos.
Renan gosta de propina para bancar seus prazeres carnais e, com prazer é mais caro.
Pequena retrospectiva:
O ministro do STF, Marco Aurélio Mello, primo de Fernando Collor de Mello decidiu afastar Renan da presidência do Senado, porque – grande surpresa – não pega bem, é falta de educação e quebra do decoro parlamentar, ter um réu Renan, na linha de sucessão da Presidência da República, na falta de Temer ou Rodrigo Maia. Com se falta fizessem!
Collor e Calheiros são amiguinhos de infância transviada e conterrâneos, Alagoas.
Vejam o nível de Renan, gente da melhor qualidade. O cara é réu por peculato: “apropriar” ou “desviar” valores, bens móveis, de que o funcionário tem posse justamente em razão do cargo…
Amigo do alheio, ladravaz, ladrão!
Mas calma aí! Tem mais, cabe mais. Renan não é principiante. Foi presidente do Senado de 2005 até 2007, quando renunciou, após denúncias de corrupção… O “Renangate”.
Renangate é o apelido do escândalo de corrupção que acusou Renan de receber “ajuda financeira” de lobistas ligados a construtoras, que teriam pago despesas pessoais, como Modess, o aluguel de um apartamento e a pensão alimentícia de uma filha do senador com a jornalista mineira (sic) Mônica Veloso.
Jornalista ou masoquista mineira?
Amor sincero custa caro ou dinheiro e poder são mesmo afrodisíacos? O que a bela Mônica, que posou suas delícias para a Playboy, viu no Brad Pitt das Alagoas? O amor é cego, bobo, feio e fedorento?
E se a filha não for de Renan? E se for do Caetano ou da Maria Bethânia?
Renunciou por corrupção e voltou à presidência do Senado?
E não foi só uma denúncia. Quase uma dúzia! Como alguém, com 11 processos nas costas; pode presidir alguma coisa, entre elas, o Senado e a Presidência da República?
Mas, agora, o mais importante: Renan é réu tardio, porque a denúncia contra ele é de 2007. Ele foi acusado de ter recebido propina de um lobista da empreiteira Mendes Júnior para apresentar emendas parlamentares que favorecessem a empresa. A propina pagava as despesas de Mônica Veloso e a filha de ambos com Caetano ou Maria Bethânia; não sei bem.
Quer dizer que NÓS PAGAMOS as paqueras de Renan, as investidas de Renan, as cantadas de Renan, os adultérios de Renan, as amantes de Renan, os presentes para as amantes de Renan, as taras de Renan, o Viagra e o KY do Renan, os prazeres carnais de Renan e, de quebra, os implantes capilares de Renan. Não gostei de saber disso, e vocês?
PS: mudando de assunto, como se corta o mal pela raiz? A castração masculina também pode ser parte do ato maior de emasculação ou pode ser química. Mas com química é mais caro…

Walter Navarro

Jornalista, escritor, escreveu no Jornal O Tempo e já publicou dois livros.

Jornalista, escritor, escreveu no Jornal O Tempo e já publicou dois livros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *