4 de julho de 2022
Vinhos

Termos vínicos portugueses

Mario Prata publicou em 1994 um divertido livro, “Schifaizfavoire – Dicionário de Português”, onde ressalta as diferenças linguísticas entre o idioma português falado no Brasil e o falado na Europa. Viveu cerca de dois anos em Portugal onde passou por diversas situações que deixariam qualquer um confuso. “Premir o autoclismo” é apenas uma delas. Há passagens impagáveis.

Da mesma forma, um grande amigo e colaborador eventual destas páginas, Ronald Sharp Jr., passou por alguns apertos durante seu recente passeio pela terrinha, onde teve oportunidade de visitar algumas ótimas vinícolas e conversar com diversos vinhateiros.

“Este vinho tem alguma frescura e é pouco taninoso”.

Não é difícil entender a frase acima, mas soa estranha em nossos ouvidos. Ronald elaborou um pequeno glossário com o que aprendeu neste passeio. Aqui está ele, com alguns comentários nossos:

Adega = Cantina, termo brasileiro para o local onde os vinhos são elaborados;

Cave = Adega, no nosso país. O local onde guardamos os vinhos. Lá preferem o galicismo;

Copo = é a nossa taça de vinho. Cuidado! Taça, por lá, é a nossa xícara;

Frapé = Balde de gelo para resfriar o vinho. Mudando o acento temos Frapê, que é uma bebida com gelo picado, uma granita;

Frescura = Frescor, característica de vinhos com boa acidez que nos passam esta sensação. Atenção: fresco significa gelado. Não estranhe, portanto, “água fresca”;

Taninoso = Tânico. Vinhos que passam a sensação de adstringência.

Libertação (dos aromas) = Liberação;

Película = Casca da uva;

Grainha = Semente

Aguardentação = Adição de aguardente vínico, na elaboração de vinhos generosos. O Porto é um deles.

Gostei tanto que, não só, resolvi escrever sobre o tema como fiz algumas pesquisas e encontrei mais diferenças curiosas.

Aqui estão mais algumas delas, em ordem aleatória. Passear em Portugal vai ficar mais fácil…

Escanção = é o nosso Sommelier. Para entender as origens de ambos os termos é só ler está antiga publicação – “Sommelier, Escanção”;

Maridagem = o mesmo que harmonização, que também é usado lá;

Colheita = Safra.

Garrafeira = tem vários significados. Pode ser um vinho reserva, tinto ou branco, que atende a determinada norma de elaboração; uma loja especializada em vinhos; local de guarda dos vinhos em nossas casas (adega);

Tambor = barrica;

Vinha = vinhedo;

Abafado = vinho que recebeu uma aguardentação para interromper a fermentação;

Adamado = o equivalente a classificação “meio-seco” (máximo de 45g de açúcar por litro);

Agulha ou Pico = Sensação efervescente comum em alguns vinhos como os vinhos verdes e os espumantes;

Perlante = Vinho com agulha.

Capitoso = vinho com elevado teor alcoólico

Escolha = Classificação prevista na lei, reservada a vinhos com Denominação de Origem e Indicação Geográfica, que apresentem características organolépticas destacadas.

Não esgotamos o assunto, há muito mais termos pouco usuais para os brasileiros.

Saúde e bons vinhos!

Foto de Jimmy Chan no Pexels

author
Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.