29 de fevereiro de 2024
Vinhos

Na vitória e na derrota

Um dos mitos mais conhecidos no universo dos vinhos é uma frase de Napoleão Bonaparte se referindo ao Champagne, bebida que, segundo muitos historiadores, era sempre transportada para as suas batalhas:

“Na vitória eu mereço, na derrota eu preciso!”

Esta é uma de muitas traduções ou adaptações desta máxima, pronunciada em francês, obviamente.

Winston Churchill, famoso Primeiro-ministro inglês durante a Segunda Guerra, também é citado como tendo usado a mesma frase, provavelmente inspirada pelos feitos do conhecido Imperador francês:

“I could not live without Champagne. In victory I deserve it. In defeat I need it.” Winston Churchill, 1946 (Eu não poderia viver sem o Champagne. Na vitória …)

Seguindo nesta mesma linha, Lily Bollinger, uma das famosas “viúvas de Champagne” que comandou a Casa Bollinger por 30 anos, sempre dizia:

“Só bebo Champagne quando estou feliz ou quando estou triste”

Coco Channel, um dos grandes nomes da moda feminina, também tinha sua frase predileta:

“Só bebo Champagne em duas ocasiões: quando estou amando e quando não estou”.

Vinhos espumantes sempre estão associados às celebrações ou, como demonstraram as personalidades citadas, são degustados na alegria e na tristeza, na doença e na saúde, quando o nosso time perde ou ganha.

O monge Dom Perignon, a quem se atribui a descoberta desta deliciosa bebida, não se conteve e gritou para seus companheiros:
“Venham correndo, estou bebendo as estrelas!”

Existem mais curiosidades sobre esta extraordinária bebida do que o espaço desta página. Uma que vale a pena registrar, era a forma como Napoleão abria sua garrafas: com seu sabre, degolando o gargalo e sem sair de seu cavalo.

Churchill, que foi um grande apreciador deste vinho espumante, teria consumido cerca de 42.000 garrafas, segundo seus biógrafos. Até hoje existe a “Cuvée Sir Winston Churchill”, elaborada pela Maison Pol Roger, em sua homenagem.

Napoleão foi derrotado na conhecida batalha de Waterloo, pelo Duque de Wellington. A história relata que as tropas francesas haviam esquecido o Champagne. Foi exilado na ilha de Santa Helena, onde lhe foi permitido manter uma considerável adega. Mas, seu vinho predileto passou a ser o sul africano “Vin de Constance”, um fortificado. Napoleão tomava um cálice diariamente, até sua morte em 1821. Foi um grande consolador da sua derrocada.

Pensando nisto tudo, que tal na próxima vez que fizermos um brinde nos lembrarmos de alguns destes fatos?

Não importa a sua turma: da tubaína, da pinga ou a dos vinhos.

O importante é compreender como outros heróis, do passado, se comportaram em suas vitórias e em sua derrotas. Sempre com elegância e alguma ironia.

Os vinhos, como qualquer outra bebida alcoólica, foram criados pelos humanos. Se consumidos com responsabilidade e no momento certo, vão trazer enorme alegria para os vitoriosos e grandes esperanças para os que não tiveram sucesso.

Saúde e bons vinhos!

CRÉDITOS

Imagem de abertura por freepic.diller no Freepik

Sabragem: “Sabrage@Preuillac – avant” por epeigne37, licenciada sob CC BY-NC-ND 2.0.

Tuty

Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

author
Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *