20 de abril de 2024
Vinhos

E a (nossa) lista de boicote aumentou…

Esta lista começou lá em 2012 quando o finado IBRAVIN engendrou uma manobra para criar cotas de importação para vinhos estrangeiros, achando que isso beneficiaria os produtores nacionais.

A grita foi grande. Publicamos uma matéria intitulada “Enófilos unidos jamais serão vencidos” (cliquem no link para ler. Algumas referências, mencionadas no texto, já não estão mais disponíveis). Em linhas gerais, apoiávamos um boicote para os produtos de determinadas vinícolas, algumas bem grandes e conhecidas. Este movimento partiu de renomados Chefs, críticos de vinhos e das principais importadoras e distribuidoras.

Criamos a nossa relação dos vinhos “proibidos”.

Em 2020, o mesmo grupinho, acrescido de mais alguns produtores, tentou ressuscitar a mesma manobra. Novamente, não tiveram sucesso. O nosso texto está aqui “Se não der certo, a gente tenta de novo…”.

E a listinha cresceu mais um pouco!

Agora, nesta virada de fevereiro para março de 2023, fomos surpreendidos por mais uma notícia assustadora: a contratação de mão de obra para a colheita em condições análogas à escravidão.

Inacreditável!

A lista ganhou mais nomes, alguns deles, curiosamente, são de produtores que se opuseram fortemente à manobra das cotas.

Triste!

Num momento em que o vinho brasileiro parece ter encontrado o seu melhor momento, somos forçados a sugerir um boicote aos nossos produtos. É o que nos resta fazer, não temos outra forma de protestar contra toda esta vergonheira.

As desculpas, de sempre, não valem mais:

– Não sabíamos;

– Falhamos na fiscalização;

– São uns aloprados;

– Está fora de contexto;

– É só uma gripezinha;

Entre muitas outras, tantas, que dariam para montar uma enciclopédia.

Um colaborador assíduo da nossa coluna sobre vinhos, Júlio Cardoso, chamou a atenção para outro fato: excetuando os envolvidos, ninguém mais se manifestou, amplamente, sobre o ocorrido. Nem vinícolas, nem associações como UVIBRA, AGAVI ou FECOVINHO. Os sites estão linkados nos nomes. Até a publicação deste texto, nenhuma menção existia nas páginas desses órgãos de classe.

Este silêncio é tão constrangedor quanto o fato em si. Nos leva, logo, a suspeitar que existem outras empresas na mesma situação: “vamos ficar quietinhos para ver se nos esquecem”.

Para piorar o quadro, já sabemos aonde isto vai dar: novas taxas de “fiscalização”, aperto nas regras de contratação de M.O., implantação de normas de Governança, etc…

O resultado, pouco prático na nossa opinião, é que estes custos serão repassados para o consumidor. Um produto que não conquista um mercado maior em função dos preços muito elevados, se comparado com outros vinhos sul-americanos, vai se tornar proibitivo.

Em lugar de maracutaias impensáveis, deveriam estar lutando para reduzir os impostos incidentes sobre o nosso vinho. Mas isto, nem pensar …

“Vinho” da semana

Já faz muito tempo que não indicamos um vinho e fomos cobrados.

Aproveitando o “clima” de todo este imbróglio, eis a sugestão desta semana:

Vinagre de vinho tinto “Único”

Notas de degustação: Azedo, sour, sauer, acido, aigre …

Créditos:

Foto de abertura: Imagem de Freepik

Vinagre – obtido no site da Peixe Alimentos

Tuty

Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

author
Engenheiro, Sommelier, Barista e Queijeiro. Atualiza seus conhecimentos nos principais polos produtores do mundo. Organiza cursos, oficinas, palestras, cartas de vinho além de almoços ou jantares harmonizados.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *